Vacinação

Os experimentos da Covid nas crianças I - Médicos pela Vida

Vacinação: Os experimentos da Covid nas crianças I - Médicos pela Vida... O Médicos Pela Vida (MPV) vem a público expressar repúdio à autorização do Ministério da Saúde para vacinar crianças de 5 a11 anos

Coletividade Evolutiva
Compartilhe:
Os experimentos da Covid nas crianças I - Médicos pela Vida

O Médicos Pela Vida (MPV) vem a público expressar repúdio à autorização do Ministério da Saúde para que estados e municípios vacinem crianças de 5-11 anos com produtos que se encontram em fase de experimento. 

Recorremos aos registros oficiais do Clinicaltrials.gov do NIH do governo dos EUA que apontam o ano de 2026 para conclusão dos estudos de eficácia e segurança do que equivocadamente chamam de vacinas. Até lá, a inoculação é temerária e representa riscos reais, alguns já conhecidos e outros desconhecidos.

Sendo assim, a população deve ser informada de tais riscos e incertezas quanto à eficácia e segurança, como descritos na bula pela própria fabricante. Todo participante de ensaios clínicos deve ser voluntário e assinar termo de consentimento livre e esclarecido, conforme o Código de Nuremberg, a Declaração de Helsinque e a Resolução 466 do ministério da saúde que trata de experimentos em seres humanos.

As crianças na faixa etária de 5-11 anos não fazem parte dos grupos de risco. Portanto, não se justifica o inóculo. Além disso, as curvas de contágio pelo vírus SarsCov2 seguem em queda desde março de 2021, não sendo plausível expor a população com menor idade à produtos que ainda se encontram em desenvolvimento.

No curtíssimo tempo de observação, para cada caso de covid evitado tem-se 170 casos de miocardite que pode levar à morte ou sequelas irreversíveis; sem contar morte súbita, pericardite, infarto agudo do miocárdio e outras. A relação de malefícios x benefícios não compensa introduzir a inoculação em crianças.

Foram ignorados os estudos que falam sobre os malefícios. O ministério parece muito mais preocupado com a quantidade de doses compradas e disponibilizadas do que propriamente com a eficácia e segurança do produto.

E na sequência pretendem atingir as demais crianças, de 0 a 4 anos, como já previsto em contrato. Seria um planejamento pertinente se a realidade científica não fosse outra. Apostou-se tudo numa única tentativa de solução, deu errado e não houve a devida correção de rumo.

Inúmeros estudos sobre as novas variantes como Delta e Ômicron e o escape das vacinas, simplesmente são negados, assim como os alertas do CDC dos EUA que informou à população totalmente vacinada da possibilidade dela continuar transmitindo a doença. Maior comprovação é o fato de cinco navios cruzeiros que operam na costa brasileira terem apresentado surtos de covid na últimas semanas. Todos seguiram os protocolos da ANVISA, que incluía somente passageiros totalmente vacinados. Esses surtos de covid19 entre totalmente vacinados ocorreram não só no Brasil, mas em cruzeiros em vários locais do mundo.

Lembrando que dos mais de 200 países, apenas 39 (todos ocidentais ou sob influência direta da indústria farmacêutica) aprovaram a inoculação em crianças, mesmo assim apenas naquelas portadoras de comorbidades. É necessário retomar a lucidez e o controle dos conflitos de interesses. A lei precisa ser respeitada. Não só a brasileira, mas os tratados internacionais que integram o nosso arcabouço jurídico.

Com efeito, a lei diz que os experimentos vacinais tem uma rotina para sua execução: campanha publicitária de esclarecimento; divulgação das bulas; termo de consentimento livre e esclarecido assinado; liberdade de escolha; vetada participação de crianças; e clareza sobre quem são os responsáveis pelo experimento.

Constatamos com tristeza um país que não preza pelos seus! Que desrespeita a ciência e ignora seus próprios interesses optando pelos interesses econômicos de terceiros. A soberania nacional deve ser retomada e os interesses do povo colocados em primeiro lugar com dados de realidade, transparência, e preservação dos direitos fundamentais.

O Conselho Mundial para a Saúde declara que as “vacinas” Covid-19 são perigosas e inseguras para uso humano. A fabricação, a venda, a administração e promoção dessas injeções vão contra os princípios fundamentais do direito consuetudinário, direito constitucional e justiça natural.

Por fim, vacina não é sinônimo de saúde. Vacina faz parte das ações de promoção da saúde, de medidas de prevenção. Portanto, assim como comer, dormir bem e se exercitar, que são medidas básicas de promoção primária da saúde, as vacinas só se tornam parte desta promoção se fizerem bem. Qualquer vacina que traga danos ou riscos a saúde deixa de ser justificável e não pode ser obrigatória, mesmo para um pretenso bem, que dirá sob o risco de matar ou sequelar permanentemente. As vacinas contra varíola, BCG, poliomielite, hepatite B, são vacinas. Nenhuma delas apresentou surto após a imunização.

Os experimentos da covid19 não são vacinas. São experimentos. Apresentam surtos pós inoculações únicas ou múltiplas, não evitam transmissão e ainda podem causar outras doenças e até matar.

Tudo já fartamente documentado. Por que a insistência? A quem interessa? Por que a grande imprensa não divulga a verdade?

O uso político da covid19 já não foi suficiente?

Coordenação dos Médicos pela Vida - Originalmente em Médicos Pela Vida
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Veja mais sobre:

Brasil Coronavírus Covid-19 Vacina Vacinação
Compartilhe:
RELATAR ERROS:

: Ao reproduzir este artigo: Uso não comercial OK, cite | coletividade-evolutiva.com.br | com um link clicável. Siga Coletividade Evolutiva nas | REDES SOCIAIS | Se você gosta de informações como as que publicamos, por favor, considere fazer uma doação para nos ajudar a manter nosso trabalho e o Coletividade Evolutiva disponível | FAZER UMA DOAÇÃO |

MAIS RECENTES