Vídeos

Vacina COVID para crianças, "pode" evitar 1 morte num universo de 45.000 pessoas e gerar 106 casos de miocardite em CRIANÇAS

Vídeos: O risco de uma criança morrer pela vacina supera qualquer ilusão de benefício, é altíssimo, lhe obrigar a fazer isso é o mesmo que te obrig...

Coletividade Evolutiva
Compartilhe:
Nos Apoie: Doação
Vacina COVID para crianças, "pode" evitar 1 morte num universo de 45.000 pessoas e gerar 106 casos de miocardite em CRIANÇAS

O risco de uma criança morrer pela vacina supera qualquer ilusão de benefício, é altíssimo, lhe obrigar a fazer isso é o mesmo que te obrigar a assassinar crianças.


Desde o início da "pandemia", o mundo foi enganado de que ser “vacinado” com uma injeção da Covid “curaria” o coronavírus Covid-19 e tudo voltaria ao normal. Quase dois anos se passaram, entretanto, é exatamente o oposto que está mantendo uma "pandemia". Temos vistos uma nova pandemia de mal súbito em todo o mundo, provocados pelas injeções como; miocardite, pericardite, trombose, câncer, imunodeficiência, infartos, etc.

Não há base para vacinar crianças contra COVID-19 como está sendo imposto pelas autoridades de "saúde". As crianças correm um risco muito baixo de contrair doenças, especialmente doenças graves causadas pelo COVID-19, e as crianças não transmitem a doença. Os dados mais atualizados da Academia Americana de Pediatria mostraram que “As crianças foram 0,00 por cento – 0,19 por cento de todas as mortes do COVID-19 e 10 estados [dos EUA] relataram zero mortes de crianças. Nos relatórios dos estados, 0,00 por cento-0,03 por cento de todos os casos de crianças COVID-19 resultaram em morte. ”

Outra coisa importante que precisa ser levado em conta, é que, uma nova carta do pesquisador Günter Kampf que foi publicada no The Lancet abre alguns buracos importantes na narrativa da grande midia mentirosa sobre as vacinas da Covid, um dos maiores é que essas vacinas NÃO estão impedindo a propagação como fora dito pelas autoridades.

Na verdade, parece haver maior disseminação de doenças e mortes entre aqueles que tomaram as vacinas em obediência às diretrizes dos governos, em comparação com aqueles que deixaram seus sistemas imunológicos sozinhos para combater as doenças naturalmente.

De acordo com Kampf, a relevância epidemiológica dos totalmente vacinados “está aumentando”, com base nos dados mais recentes. Na melhor das hipóteses, as vacinas Covid não oferecem proteção alguma. Na pior das hipóteses, elas estão tornando as pessoas que os tomam mais suscetíveis a consequências negativas para a saúde.

“No Reino Unido, foi descrito que as taxas de ataque secundário entre contatos domiciliares expostos a casos-índice totalmente vacinados foram semelhantes aos contatos domiciliares expostos a casos-índice não vacinados (25% para vacinados vs 23% para não vacinados)”, escreve Kampf.

“[Doze] de 31 infecções em contatos domiciliares totalmente vacinados (39%) surgiram de casos-índice totalmente vacinados, epidemiologicamente ligados. O pico de carga viral não diferiu pelo estado de vacinação ou tipo de variante. ”

Na Alemanha, acrescenta, a taxa de covid e sintomática entre os vacinados está aumentando. Em julho, era cerca de 16,9 por cento entre os pacientes de 60 anos de idade ou mais. A partir de 27 de outubro, esse número disparou para 58,9 por cento, "fornecendo evidências claras da crescente relevância de pessoas totalmente vacinadas como uma possível fonte de transmissão".

Um fenômeno semelhante está ocorrendo no Reino Unido também. Os casos de cobiça sintomáticos entre os totalmente vacinados estão aumentando, assim como em Israel e em outros lugares, onde as vacinas contra a gripe Covid estão sendo amplamente administradas.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos anunciaram recentemente que quatro dos cinco principais condados com a maior porcentagem de população totalmente vacinada (84,3-99,9 por cento) são condados com “alta” transmissão.

Tudo isso sugere que levar uma picada provavelmente significa adoecer ou espalhar a doença para outras pessoas. E, no entanto, a história oficial é que as pessoas totalmente vacinadas nem mesmo devem ser contadas como uma fonte potencial de transmissão.

“Parece ser uma negligência grosseira ignorar a população vacinada como uma possível e relevante fonte de transmissão ao decidir sobre medidas de controle de saúde pública”, disse Kampf.

Continuar chamando a situação atual de “pandemia de não vacinados” é simplesmente falso, adverte Kampf. Na realidade, esta é uma pandemia de vacinados, pois a pandemia já teria acabado se todos optassem por não serem vacinados
.

“Todos no nosso governo sabem que esta vacina é uma arma biológica e representa um perigo para a humanidade. Todos sabemos que isso é uma agenda de reduzir a população humana, esse é o plano global da agenda 2020 a 2030 da ONU e, os governos estão alinhados com essa agenda maligna. Não há absolutamente nenhuma dúvida sobre isso. O problema é que quase cada um deles pertence, de uma forma ou de outra, às empresas biomédicas, as empresas farmacêuticas”.
Publicidade
Explore mais: Brasil , Coronavírus , Covid-19 , Vacina , Vacinação , Vídeos
Compartilhe:
Nos Apoie com um donativo
Este artigo pode conter afirmações que refletem a opinião do autor
Siga Coletividade Evolutiva nas redes sociais!

RECENTES