Últimas-notícias

Documentos revelam que WhatsApp e outros vazam dados dos usuários para o FBI

Últimas-notícias: Documentos revelam que WhatsApp e outros vazam dados dos usuários para o FBI... Um documento recém-lançado destacou a controvérsia em curso sobre questões de privacidade enfrentadas pelos usuários de aplicativos de mensagens.

Coletividade Evolutiva
Compartilhe:
Documentos revelam que WhatsApp e outros vazam dados dos usuários para o FBI

Um documento recém-lançado destacou a controvérsia em curso sobre questões de privacidade enfrentadas pelos usuários de aplicativos de mensagens, com os aplicativos populares iMessage e WhatsApp se mostrando os “mais permissivos” para a Agência Federal de Investigação (FBI) dos Estados Unidos, acessar dados e conteúdo.

O documento obtido pela Rolling Stone apresenta uma visão geral de quais dados podem ser acessados ​​de nove aplicativos de mensagens populares.

Intitulado “Acesso legal”, o documento descreve a capacidade das agências de aplicação da lei, como o FBI, de “acessar legalmente conteúdo seguro” nos aplicativos de “mensagens principais”. Os nove aplicativos listados são iMessage, Line, Signal, Telegram, Threema, Viber, WeChat, WhatsApp e Wickr.

Apesar disso, o documento do FBI também mostra que os aplicativos de mensagens orientados à privacidade Signal e Telegram permaneceram fiéis à sua intenção original, fornecendo a menor quantidade de dados para as autoridades.

Ambos não forneceram nenhum conteúdo de mensagem, e o Telegram não rendeu “nenhuma informação de contato” para o FBI, mesmo com uma ordem judicial.

O Signal apenas forneceu a data e a hora em que um usuário se cadastrou no aplicativo, bem como a “última data” da conexão do usuário com o aplicativo.

O documento recém-lançado vem após uma maior atenção à vigilância e censura da Big Tech no ano passado, especialmente no que diz respeito a questões como fraude eleitoral na eleição de 2020 nos EUA e "desinformação" da COVID-19.

Preparado pela Divisão de Ciência e Tecnologia e Tecnologia Operacional do FBI e datado de 7 de janeiro de 2021, o documento resume as informações que podem ser obtidas nos aplicativos de mensagens, revelando que o WhatsApp (agora Meta) do Facebook e o iMessage da Apple são mais acessíveis às informações fornecidas às agências de aplicação da lei.

Mais Popular, Mas Menos Seguro


O WhatsApp foi atacado no início deste ano depois que uma atualização de software recém-anunciada gerou preocupações generalizadas com a privacidade, e os usuários migraram para o Signal e o Telegram, incluindo o bilionário Elon Musk. A empresa respondeu alegando que não “mantinha registros de quem todos estão enviando mensagens ou ligando”.

No entanto, o documento do FBI mostra que tal afirmação não é totalmente verdadeira. O WhatsApp junta-se ao iMessage e ao Line para se comprometer a entregar o conteúdo da mensagem “limitado” de um indivíduo-alvo, enquanto outros não fornecem nenhum conteúdo de mensagem.

É também o único aplicativo listado que usa um registro de caneta. A cada 15 minutos, o registro da caneta captura os dados do usuário, incluindo a origem, o destino e a hora de cada mensagem, fornecendo um relato detalhado do registro de chamadas e do contato do usuário.

Mais informações do WhatsApp são fornecidas ao FBI mediante o uso de uma ordem judicial, que retorna "registros de assinante" e um mandado de busca e apreensão que retorna "contatos do catálogo de endereços" e "usuários bloqueados".

Sob o mandado de busca, o WhatsApp fornecerá também detalhes de outros usuários que têm o indivíduo-alvo em seus contatos. Embora um porta-voz do WhatsApp tenha atestado à Rolling Stone que a empresa não forneceu o conteúdo da mensagem para o FBI, os dados que a empresa fornece ainda revelam quem envia mensagens, quando e com que frequência, bem como os outros contatos em sua agenda de endereços.

“O WhatsApp que oferece todas essas informações são devastadoras para um repórter que se comunica com uma fonte confidencial”, disse Daniel Kahn Gillmor , tecnólogo sênior da American Civil Liberties Union, à Rolling Stone.

Enquanto isso, o iMessage da Apple também fornece conteúdo de mensagem “limitado”, bem como informações do assinante, 25 dias de dados sobre pesquisas do iMessage e quem procurou o usuário-alvo no iMessage.

No entanto, se o indivíduo usa o backup do iCloud para mensagens, o FBI pode obter esses backups, o que significa que o conteúdo real da mensagem pode ser visualizado. “Você está entregando a outra pessoa a chave para segurar em seu nome”, disse Mallory Knodel, do Center for Democracy and Technology.

O documento levou Mallory Knodel, diretor de tecnologia do Center for Democracy and Technology, a resumir que “os aplicativos de mensagens criptografadas mais populares, iMessage e WhatsApp, também são os mais permissivos”.

O WhatsApp atualmente é o aplicativo de mensagens móvel mais popular, com mais de 2 bilhões de usuários mensais, com o Facebook Messenger e o WeChat em segundo e terceiro lugar, respectivamente. O Telegram com foco na privacidade está agora em quinto lugar, com 550 milhões de usuários mensais.

O iMessage da Apple é usado por 1,3 bilhão de pessoas em todo o mundo, uma vez que vem como padrão nos iPhones da empresa. 
 - Artigo originalmente em: Lifesitenews
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Veja mais sobre:

Mundo Notícias alternativas Últimas-notícias
Compartilhe:
RELATAR ERROS:

: Ao reproduzir este artigo: Uso não comercial OK, cite | coletividade-evolutiva.com.br | com um link clicável. Siga Coletividade Evolutiva nas | REDES SOCIAIS | Se você gosta de informações como as que publicamos, por favor, considere fazer uma doação para nos ajudar a manter nosso trabalho e o Coletividade Evolutiva disponível | FAZER UMA DOAÇÃO |

MAIS RECENTES