Adquira agora o e-book CULTIVANDO HORTA ORGÂNICA e  apenda tudo sobre o cultivo de hortas, do básico ao avançado,  desde o plantio até a colheita.
Últimas-notícias

Representante do povo brasileiro confronta o "chefe" da OMS: "Pessoas estão morrendo após a segunda dose"

Últimas-notícias: Representante do povo brasileiro confronta o "chefe" da OMS: "Pessoas estão morrendo após a segunda dose"... “No Brasil, muitos dos que receberam a segunda dose estão morrendo ” , esclareceu Bolsonaro.

Coletividade Evolutiva
Compartilhe:
Representante do povo brasileiro confronta chefe da OMS: "Pessoas estão morrendo após a segunda dose"

Durante a recente cúpula do G20 de líderes globais em Roma. Surgiu um novo vídeo do representante do povo brasileiro, o presidente Jair Bolsonaro confrontando o fantoche dos globalistas que representa como chefe da OMS, Tedros Adhanom, sobre as restrições do COVID-19 e perguntando porque as pessoas ainda estão morrendo de COVID após a segunda dose da vacina.

Desafiando Adhanom sobre passaportes de vacinas, Bolsonaro afirmou que, “Em todo o mundo, há pessoas que precisam trabalhar para se alimentar.” Ele acrescentou que as medidas de bloqueio desestabilizaram a economia global, alertando que, se continuarem, “a economia entrará em colapso”.

Adhanom disse que não queria mais bloqueios e concordou que o esquema do passaporte da vacina era “discriminação”, mas apenas enquanto as taxas de vacina em alguns países ainda fossem baixas.

“No Brasil, muitos que tomam a segunda dose estão se infectando com COVID ”, disse Bolsonaro, ao que o chefe da OMS respondeu dizendo que a vacina não impede a disseminação do COVID, mas reduz o risco de doenças graves e morte.

“No Brasil, muitos dos que receberam a segunda dose estão morrendo ” , esclareceu Bolsonaro, ao que Adhanom respondeu dizendo que as doenças de base eram as culpadas.

Bolsonaro então lamentou sua incapacidade de interromper a vacinação obrigatória para crianças, ao que Adhanom respondeu dizendo que a OMS não apoia a vacinação em crianças.

O presidente brasileiro lamentou, então, que sempre que faz perguntas sobre a vacina, é acusado de divulgar “notícias falsas”.

“Nossas mãos estão atadas, a vida de nossos filhos estão em jogo”, disse Bolsonaro.

Quando perguntou a Adhanom sobre a origem do COVID-19, Adhanom riu e disse: “Ainda estamos estudando isso”.

Bolsonaro, e com toda a razão, há muito tempo é cético em relação à vacina e às medidas de bloqueio do COVID-19.

Depois de chegar à Assembleia Geral da ONU em setembro, ele foi forçado a comer pizza na calçada porque não estava vacinado e, portanto, proibido de fazer refeições em ambientes fechados em Nova York.

Bolsonaro defendeu repetidamente a droga hidroxicloroquina, afirmando que, “Se a hidroxicloroquina não tivesse sido politizada, muito mais vidas poderiam ter sido salvas”.

O próprio presidente brasileiro contraiu o coronavírus em julho de 2020, mas disse que conseguiu se recuperar rapidamente graças ao seu passado como “atleta” do Exército. Ele também apontou a hidroxicloroquina como eficaz em sua rápida recuperação.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Veja mais sobre: , , , , , , , ,
Compartilhe:
RELATAR ERROS:

: Ao reproduzir este artigo: Uso não comercial OK, cite | coletividade-evolutiva.com.br | com um link clicável. Siga Coletividade Evolutiva nas | REDES SOCIAIS | Apoie o nosso trabalho com uma | DOAÇÃO |
Coletividade Evolutiva

Autor: Coletividade Evolutiva

Visa informar a sociedade de forma que possa ajudar no despertar, enxergar através das cortinas que limitam o pensamento, quebrando assim, as velhas formas de pensar. Examina o que percebe como os problemas mais importantes da sociedade atual, publica possíveis soluções e alternativas que podem ajudar a reconstruir a sociedade por meio do despertar e pensamento. Publica informações que desafia o pensamento e os preconceitos sem descuidar das principais regras que regem.

MAIS RECENTES