Adquira agora o e-book CULTIVANDO HORTA ORGÂNICA e  apenda tudo sobre o cultivo de hortas, do básico ao avançado,  desde o plantio até a colheita.
saúde

A VERDADE EXPOSTA - pandemia Covid-19 não existe - Parte 1

saúde: A VERDADE EXPOSTA - pandemia Covid-19 não existe - Parte 1... Esse é um importante trabalho da organização de pesquisa global por Michel Chossudovsky

Fabio Allves
Compartilhe:
A VERDADE EXPOSTA - pandemia Covid-19 não existe - Parte 1

A questão é, se não temos uma pandemia Covid, então, após as injeções, temos uma pandemia global de vacinados desenvolvendo inúmeras doenças?  Tire suas conclussões, os fatos estão aí. A fraudemia não é o limite!

Introdução - Esse é um importante trabalho da organização de pesquisa global por Michel Chossudovsky - Por favor, campartilhe este importante artigo que está sendo censurado pelos mecanismos de pesquisas.

  • Há muita confusão e desinformação a respeito da natureza da chamada “pandemia” de Covid-19. 
  • A definição de pandemia raramente é mencionada pelos governos e pela mídia corporativa.
  • O que confirma a existência de uma pandemia não é apenas o número de pessoas afetadas pela Covid-19, mas também a evidência confiável de um surto de doença que está se espalhando por uma ampla área geográfica, "incluindo vários países ou continentes"
  • “ Uma pandemia é uma epidemia que se espalha muito e atinge toda uma região, um continente ou o mundo” (Natureza)
  • A definição acima não descreve de forma alguma a alegada disseminação da SARS-CoV-2.

Nunca houve uma pandemia


Tenho investigado esse assunto extensivamente desde janeiro de 2020 e cheguei à conclusão com base em definições relevantes, na história da crise da coroa, bem como nas “estimativas” oficiais da OMS de “casos positivos de Covid” de que nunca houve uma pandemia.

No início da crise corona, o número dos chamados casos positivos confirmados era abissalmente baixo, começando com 83 casos positivos fora da China (6,4 bilhões de pessoas). Esses números ridiculamente baixos foram, no entanto, usados ​​para justificar o lançamento em 30 de janeiro de 2020 de uma Emergência de Saúde Pública Mundial que antecedeu seis semanas depois da declaração oficial de uma Pandemia Mundial em 11 de março de 2021 ( 44.279 casos positivos cobertos fora da China).

Teste, teste, teste - que sustenta a fraude


Foi somente após o anúncio oficial da pandemia (11 de março de 2020) que o número de casos de Covid-19 disparou. E isso não teve nada a ver com a alegada disseminação da doença para grandes regiões do mundo.

Um aparelho de teste Covid altamente organizado foi estabelecido. O mandato era Teste Teste Teste. Enquanto isso, a Fundação Gates, juntamente com outros filantropos bilionários, financiou generosamente investimentos consideráveis ​​em testes PCR-RT -  Captura de tela, Forbes, 1 de julho de 2021

O Teste de Reação em Cadeia da Polimerase (PCR-RT)


O teste PCR-RT "personalizado" e defeituoso (que em nenhuma circunstância identifica o vírus SARS-CoV-2) foi usado em todo o mundo para gerar milhões de casos positivos de Covid errôneos. Os últimos foram então usados ​​para sustentar a ilusão de que a suposta pandemia era real e que o vírus SARS-CoV-2 estava se espalhando implacavelmente por todas as principais regiões do mundo.

Essa avaliação baseada em números errados foi então usada para liderar a campanha do medo. Números errôneos de casos positivos agora fazem parte de um banco de dados gigante, juntamente com dados falsos sobre a chamada mortalidade de Covid-19.

Por sua vez, esses milhões de casos positivos são então usados ​​para justificar todas as políticas relacionadas à Covid-19 adotadas desde março de 2020, incluindo o bloqueio, confinamento da força de trabalho, distanciamento social, máscara facial, fechamento de escolas, faculdades e universidades, a suspensão de eventos culturais e esportivos, etc.

Esta tabulação de casos positivos da Covid também foi usada como pretexto para justificar o “ fechamento” de março de 2020 da economia global (“fechamento” simultâneo de 190 economias nacionais de estados membros das Nações Unidas) supostamente com o objetivo de salvar vidas.

E desde dezembro de 2020, a alegada “pandemia de Covid-19” é usada para convencer as pessoas em todo o mundo de que a vacina Covid-19 (juntamente com o passaporte de vacina) é a “solução” para conter a propagação da doença.

Definindo a pandemia


Ao analisar a evolução da crise da Covid-19, devemos distinguir entre três conceitos importantes: O surto da doença, a epidemia e a pandemia.

O surto constitui:

“Um aumento repentino na incidência de uma doença” e normalmente está confinado a uma área localizada ou a um grupo específico de pessoas. Se um surto se tornar mais grave e menos localizado, pode ser caracterizado como uma epidemia . Se se alargar ainda mais e afetar uma parcela significativa da população, a doença pode ser caracterizada como uma pandemia. Webster-Merriam

A epidemia é definida como um surto de doença:

“Afetando ou tendendo a afetar um número desproporcionalmente grande de indivíduos dentro de uma população, comunidade ou região ao mesmo tempo”

A pandemia é amplamente definida como uma extensão da epidemia:

“Um surto de uma doença que ocorre em uma ampla área geográfica (como vários países ou continentes) e normalmente afeta uma proporção significativa da população” ( Webster-Merriam , ênfase adicionada)

Com base nas definições acima, bem como nos dados divulgados pelas autoridades de saúde chinesas referentes a casos positivos, houve um surto da doença em Wuhan, província de Hubei, no final de dezembro de 2019.

Uma revisão dos dados que levaram à decisão oficial da OMS de declarar uma pandemia em 11 de março de 2020 confirma o seguinte:

  • nenhuma evidência de uma pandemia, caracterizada por um surto de Covid-19 "em uma ampla área geográfica, como vários países ou continentes"
  • Os dados oficiais publicados pela OMS relativos à alegada disseminação da Covid-19 não confirmam a existência de uma epidemia nem de uma pandemia.

A Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional ( PHEIC)


O primeiro passo para a construção de um falso consenso sobre a potencial disseminação da doença foi iniciado em 30 de janeiro de 2020 com a decisão da OMS de declarar uma Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional ( PHEIC ).

De acordo com o Regulamento Sanitário Internacional (RSI) de 2005 , os Estados membros da OMS têm “o dever legal de responder prontamente a uma 
Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC)”.

Sem nenhum vestígio de prova, o Diretor-Geral da OMS declarou a 
Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC), apontando para

“Um risco para a saúde pública de outros Estados por meio da disseminação internacional da doença e que potencialmente exige uma resposta internacional coordenada”.

Este alerta apontou para a possível ocorrência de uma pandemia.

Uma emergência de saúde global com base em 83 casos positivos de Covid-19 fora da China


Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC) de 30 de janeiro de 2020 sugere a possibilidade de uma pandemia. Em comunicado publicado em 19 de dezembro de 2019 (apenas duas semanas antes do surto de Wuhan), a OMS reconfirmou a definição de Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC):

“Uma situação que é:

  • sério, repentino, incomum ou inesperado;
  • traz implicações para a saúde pública além da fronteira nacional do Estado afetado;
  • pode exigir ação internacional imediata. ”

A convocação de uma Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC) foi uma decisão fraudulenta por parte do Diretor-Geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus . Porque? Porque em 30 de janeiro de 2020 havia 83 casos positivos da Covid fora da China para uma população de 6,4 bilhões de pessoas.

83 casos em 18 países, e apenas 7 deles não tinham histórico de viagens na China. (ver OMS , 30 de janeiro de 2020).

A “evidência” aponta para fraude


Não houve nada “sério, repentino, incomum ou inesperado” que exigisse ação internacional imediata. 
Esses números ridiculamente baixos, que não foram mencionados pela mídia, não impediram o lançamento de uma campanha mundial baseada no terrorismo midiatico do medo por parte da grande mídia.

Na semana anterior a esta decisão histórica da OMS. A 
Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC) foi objeto de “consultas” no Fórum Econômico Mundial (WEF), em Davos (21 a 24 de janeiro). O Diretor-Geral da OMS, Dr. Tedros, esteve presente em Davos. Essas consultas foram fundamentais para influenciar a decisão histórica da OMS de declarar uma Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC) em 30 de janeiro?

Houve um conflito de interesses conforme definido pela OMS ? O maior doador da OMS é a Fundação Bill e Melinda Gates, que junto com o 
Fórum Econômico Mundial e o CEPI já havia anunciado em Davos o desenvolvimento de uma vacina Covid-19 antes do histórico lançamento do Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC)  em 30 de janeiro.

O Diretor Geral da OMS teve o apoio da Fundação Bill e Melinda Gates, da gigante farmacêutica e do Fórum Econômico Mundial (WEF). (Ver Michel Chossudovsky, livro E , Capítulo II)

“Divisões” dentro da OMS


Há indícios de que a decisão do Diretor-Geral da OMS de declarar uma 
Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional  foi tomada paralelamente ao Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos (21 a 24 de janeiro), coincidindo com a reunião do Comitê de Emergência da OMS em 22 de janeiro em Genebra. Janeiro de 2020 . De acordo com a ata desta reunião (trecho abaixo), houve divisões no Comitê de Emergência quanto à convocação de Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional:

Em 22 de janeiro, os membros do Comitê de Emergência expressaram opiniões divergentes sobre se este evento constitui uma 
Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional  ou não. Na ocasião, o conselho era que o evento não constituía uma Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional  , mas os membros do Comitê concordaram com a urgência da situação e sugeriram que o Comitê fosse convocado novamente em questão de dias para examinar a situação mais detalhadamente.

“Visões divergentes” é um eufemismo. Houve firme oposição à implementação da 
Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional. 83 casos positivos em 30 de janeiro “não constituem Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional ”.

Devo dizer que a primeira 
Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional  remonta a 2009. Foi inaugurado pela OMS em relação à pandemia de gripe suína H1N1 , que acabou se revelando uma fraude.

Em 29 de janeiro de 2020, dia anterior ao lançamento da 
Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional  ( registrado pela OMS), ocorreram 5 casos nos Estados Unidos, 3 no Canadá, 4 na França, 4 na Alemanha.

Não havia “base científica” para justificar o lançamento de uma emergência mundial de saúde pública. E tenha em mente que os números citados acima são baseados em estimativas positivas da Covid geradas pela metodologia PCR-RT contenciosa e contestada. Tabela aqui

Captura de tela da tabela da OMS, 29 de janeiro de 2020 , (documento em pdf não está mais disponível) 

31 de janeiro de 2020: Decisão do presidente Trump de suspender as viagens aéreas com a China


E esses números ridiculamente baixos de casos positivos da Covid foram usados ​​pelo presidente Trump para suspender as viagens aéreas para a China no dia seguinte (31 de janeiro de 2020).

… Trump anunciou que negaria a entrada nos Estados Unidos de cidadãos chineses e estrangeiros “que viajaram pela China nos últimos 14 dias” . Isso imediatamente desencadeou uma crise nas viagens aéreas, transporte, relações comerciais EUA-China, bem como nas transações de frete e envio.

… Os cinco chamados “casos confirmados” nos EUA foram suficientes para “justificar” a decisão do presidente Trump em 31 de janeiro de 2020 de suspender as viagens aéreas para a China enquanto precipitava uma campanha de ódio contra os chineses étnicos em todo o mundo ocidental. (Michel Chossudovsky, Capítulo II do livro eletrônico)

Esta decisão histórica de 31 de janeiro de 2020 pavimentou o caminho para a interrupção do comércio internacional de commodities, bem como a imposição de restrições mundiais às viagens aéreas. Também levou à falência de grandes companhias aéreas, cadeias de hotéis e da indústria do turismo em todo o mundo.

E tudo de que precisavam eram 83 casos positivos de Covid. A próxima etapa da saga COVID-19 se desdobra em 20 de fevereiro de 2020.

20-21 de fevereiro de 2020. Dr. Tedros Intimates that the Pandemic is Iminent. 1073 Casos positivos de Covid fora da China


Em entrevista coletiva na quinta-feira, 20 de fevereiro à tarde (horário CET), em briefing em Genebra, o Diretor-Geral da OMS. O Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus , disse que estava

“Preocupado que a chance de conter o surto de coronavírus estivesse“ fechando ”...
“Eu acredito que a janela de oportunidade ainda está aí, mas que a janela está se estreitando.”

Bobagem e mentiras descaradas. O dia da histórica conferência de imprensa Dr. Tedros' (20 de fevereiro de 2020) o número registrado de casos confirmados fora da China foi 1073, dos quais 621 eram passageiros e tripulantes no Princess Ship Cruise Diamante (encalhado em águas territoriais japonesas).

No mesmo dia, 57,9% dos “casos confirmados” mundiais da Covid-19 eram da Diamond Princess , dificilmente representativos de uma “tendência estatística” mundial. Do ponto de vista estatístico, a decisão da OMS de apontar para uma potencial “disseminação do vírus em todo o mundo” não fazia sentido.

Uma quarentena foi imposta ao cruzador Veja o estudo do NCBI . Muitos passageiros adoeceram devido ao confinamento no barco. Todos os passageiros e tripulantes do Diamond Princess realizaram o teste PCR. Sem os dados do Diamond Princess, os chamados casos confirmados em todo o mundo fora da China em 20 de fevereiro de 2020 eram da ordem de 452, em uma população de 6,4 bilhões. (Veja o gráfico indicando Conveniência Internacional (Diamond Princess))

Desnecessário dizer que esses chamados dados foram fundamentais para liderar a campanha do medo e o colapso dos mercados financeiros no decorrer do mês de fevereiro de 2020. Continue lendo abaixo





Captura de tela, Conferência de Imprensa da OMS, 20 de fevereiro de 2020


Nota: Os dados tabulados acima para 20 de fevereiro de 2020 indicam 1073 casos. 1.076 casos na Conferência de Imprensa da OMS )




A declaração do Dr. Tedros (baseada em conceitos e estatísticas falhos) preparou o cenário para o colapso do mercado de ações de 20 a 21 de fevereiro. Estas são as figuras (tabela à direita) usadas para apoiar os avisos de Tedros de que a pandemia é iminente.

Início de março de 2020


Os casos positivos cobertos registrados permanecem excessivamente baixos. Em 5 de março , o Diretor-Geral da OMS confirma que fora da China há 2.055 casos notificados em 33 países . Cerca de 80% desses casos eram de três países (Coréia do Sul, Irã, Itália).

Em 8 de março, três dias antes do lançamento oficial da Pandemia Covid-19, o número de “casos confirmados” (infectados e recuperados) nos Estados Unidos era da ordem de 430, aumentando para cerca de 600 em 8 de março de 2020.

Compare esses números ridiculamente baixos com os relativos ao vírus Influenza B: O CDC estimou para 2019-2020 “pelo menos 15 milhões de doenças gripais [nos EUA] ... 140.000 hospitalizações e 8.200 mortes. ( A colina )

É importante notar que, no início de março, os novos casos registrados na China caíram para dois dígitos . 99 casos registrados em 7 de março. Todos os novos casos fora da província de Hubei foram classificados como “infecções importadas” (de países estrangeiros). A confiabilidade dos dados ainda precisa ser estabelecida:

99 novos casos confirmados, incluindo 74 na província de Hubei,… Os novos casos incluíram 24 infecções importadas - 17 na província de Gansu, três em Pequim, três em Xangai e uma na província de Guangdong.

Enquanto o surto na província de Hubei estava praticamente acabado, a falsa pandemia fora da China, lançada em 11 de março, estava começando.

11 de março de 2020: A pandemia histórica da Covid-19, 44.279 “Casos confirmados”


A OMS declarou oficialmente uma pandemia mundial em um momento em que havia 44.279 casos confirmados fora da China (6,4 bilhões de habitantes) . Aqui está a justificativa do Diretor-Geral da OMS com relação à decisão da OMS de declarar uma pandemia mundial:

Como disse na segunda-feira, apenas olhar para o número de casos e de países afetados não conta toda a história.

Dos 118.000 casos relatados globalmente em 114 países, mais de 90 por cento dos casos ocorrem em apenas quatro países , e dois deles - China e República da Coréia - apresentam epidemias em declínio significativo.

81 países não notificaram nenhum caso e 57 países notificaram 10 casos ou menos.
Continue lendo abaixo


Declaração absurda e contraditória. Nenhuma evidência de uma pandemia em desenvolvimento.

Estes são os números que justificam o bloqueio e encerramento de 190 economias nacionais, com vista para salvar vidas.

Nos EUA, registrado em 11 de março de 2020, houve, de acordo com John Hopkins: 1.335 “casos” e 29 mortes (“presumíveis” mais confirmados por PCR).

Nenhuma evidência de pandemia em 11 de março de 2020.

Imediatamente após o anúncio da OMS em 11 de março de 2020, a campanha do medo entrou em alta velocidade. Os mercados de ações entraram em colapso no dia seguinte: Quinta-feira negra.

Em 18 de março de 2020, um bloqueio foi lançado nos Estados Unidos.

A tendência de crescimento dos pontos positivos da Covid no despertar do bloqueio de 11 de março de 2020


O que pode ser observado no diagrama abaixo é que os casos positivos de Covid registrados eram excessivamente baixos antes da declaração oficial de uma pandemia em 11 de março de 2020: 44.279 casos fora da China. Não havia absolutamente nenhuma justificativa para lançar o bloqueio como meio de combater uma “pandemia” inexistente.

A partir de 11 de março de 2020, após o bloqueio, os governos nacionais foram instados a implementar o teste PCR-RT em grande escala, com o objetivo de aumentar o número de casos positivos de Covid em todo o mundo.

Teste, Teste, Teste - para sustentar o golpe: Os números começaram a subir com o objetivo de gerar mais e mais estatísticas falsas.

Veja a tabela abaixo. Um número muito pequeno de casos positivos no início de março. E então, os casos positivos da Covid dispararam em abril, maio, junho de 2020.




Sobre o autorMichel Chossudovsky é um autor premiado, Professor de Economia (emérito) na Universidade de Ottawa, Fundador e Diretor do Centro de Pesquisa sobre Globalização (CRG), Montreal, Editor de Pesquisa Global. Ver Michel Chossudovsky, Nota biográfica - Artigo originalmente em: Globalresearch.ca/
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Veja mais sobre: , , , , , , , , ,
Compartilhe:
RELATAR ERROS:

: Ao reproduzir este artigo: Uso não comercial OK, cite | coletividade-evolutiva.com.br | com um link clicável. Siga Coletividade Evolutiva nas | REDES SOCIAIS | Apoie o nosso trabalho com uma | DOAÇÃO |
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas, questionando as raízes que constitui aparentemente nossa realidade, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tenho como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.

MAIS RECENTES