VACINAS de "auto-disseminação" : Vacinados transmitindo "vacina" para os não vacinados como se fossem doenças transmissíveis

Vacinação: VACINAS de "auto-disseminação" : Vacinados transmitindo "vacina" para os não vacinados como se fossem doenças transmissíveis... Vacinas de auto-disseminação podem significar que eles não precisam mais executar programas complexos de vacinação em massa.

Fabio Allves
Compartilhe:
VACINAS de "auto-disseminação" : Vacinados transmitindo "vacina" para os não vacinados como se fossem doenças transmissíveis

Em outubro de 2019, o Centro de Segurança Sanitária da Universidade Johns Hopkins dos Estados Unidos co-patrocinou o “exercício pandêmico”, Evento 201. Pouco mais de um ano depois, quando o cenário do Evento 201 passou de “hipotético” para concreto, ficou claro que os patrocinadores do evento pretendiam ver a maior parte do mundo vacinado por alguma razão, e a motivação para isso, foi a COVID-19.

Alcançar esse objetivo é um “desafio monumental”, no entanto, embora alguns dos não injetados digam aos pesquisadores que planejam eventualmente tomar a vacina, uma sólida minoria continua comprometida em nunca tomar. O mesmo padrão parece ser verdadeiro em todo o mundo: cerca de um terço dos adultos em todo o mundo diz que não tomará uma injeção COVID.

Enquanto os pesquisadores de ciências sociais e comportamentais aplicam técnicas de manipulação ou "ciência suave" em uma tentativa de manobrar a confiança do público na vacina, os cientistas de bancada têm uma opção diferente potencialmente - vacinas geneticamente modificadas que "se espalham através das populações da mesma forma  das doenças transmissíveis”, se espalhando por conta própria“ de hospedeiro para hospedeiro”. 

Em outras palavras, de indivíduos vacinados transmitindo a "vacina" auto-transmissível para os não vacinados, contendo uma "cura" ou possivelmente uma doença. Isso significa codificar possivelmente um vírus replicante de pessoa para pessoa contendo a "cura" para esse mesmo vírus selvagem. Soa bem familiar a isso: 
(NOVAS VARIANTES É A VACINA: Vencedor do prêmio Nobel diz que vacinação está espalhando variantes)
(Vacinação Covid-19 em massa irá liberar um vírus incontrolável, alerta cientista ao mundo)

É importante ressaltar, que pesquisas de vacinas transmissíveis também subiu na lista de prioridades de financiamento para agências governamentais secretas, como a Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) e os National Institutes of Health (NIH) de nada mais nada menos que o dono Dr. Anthony Fauci e, supostamente, doadores como a Fundação Gates.

Não convencional para o público (ainda), mas para programas secretos sim.


Em teoria, as vacinas de auto-disseminação (também chamadas de auto-disseminação ou autônoma ) podem ser projetadas para serem transferíveis ("restritas a um único ciclo de transmissão") ou transmissíveis ("capazes de transmissão indefinida)."

Cientistas de vacinas reconhecem que as vacinas transmissíveis "ainda não são comuns, mas a revolução na engenharia do genoma os leva a se tornarem transmissíveis".

Os fabricantes de vacinas de auto-disseminação usam tecnologia de vetor recombinante para construir material genético de um patógeno alvo no "chassi" de um vetor viral considerado "benigno", "inócuo" ou "avirulento". Isso é semelhante à abordagem do vetor viral usada para produzir as vacinas COVID da Johnson & Johnson e AstraZeneca.

Para a Johns Hopkins, o apelo das vacinas que são projetadas intencionalmente para se auto-disseminar parece óbvio. O Centro de Segurança Sanitária da Universidade Johns Hopkins tornou seu caso explícito em um relatório de 2018, “Tecnologias para enfrentar os riscos biológicos globais catastróficos” 

O relatório declarou:

“Essas vacinas podem aumentar drasticamente a cobertura vacinal em populações humanas ... sem exigir que cada indivíduo seja inoculado”.

Descrevendo ainda mais as implicações utilitárias das vacinas auto-replicantes, os autores do relatório afirmaram, “apenas um pequeno número de indivíduos vacinados seria necessário para conferir proteção a uma população suscetível maior, eliminando assim a necessidade de operações de vacinação em massa”.

Do ponto de vista programático, essa estratégia teria a vantagem de ser “mais barata do que vacinar todos manualmente”. Talvez ainda mais significativo, no entanto, superaria uma das“ questões éticas espinhosas” com que os programas de vacinação em massa lutam rotineiramente: o consentimento informado

Como o Centro de Segurança Sanitária da Universidade Johns Hopkins reconheceu brevemente em seu relatório, das vacinas de auto-disseminação tornaria essencialmente impossível para “aqueles a quem a vacina se espalhou posteriormente” fornecer consentimento informado.

Apesar das afirmações aparentemente com boas intenções, também existe o lado negro nessa história, que pode muito bem realizar mutação viral em massa, em vez de uma vacina de auto-replicação de indivíduos vacinados para os não vacinados com uma suposta cura, está, na verdade, se auto-replicando doenças ou um vírus especifico mortal como a COVID-19, afinal, cientistas de renome, já alertaram para o fato, que quanto mais vacinação em massa, mais mutante o vírus COVID-19 se tornará em pessoas vacinadas, e transmitirá para os não vacinados com mais facilidade e mais mortal, resultando em uma catástrofe. Coincidência não?

Como o relatório da Johns Hopkins deixou claro em 2018, não há razão técnica para que a abordagem de vacinas de auto-disseminação não possa ser aplicada a humanos. Os autores admitiram“ vários grandes desafios ”, no entanto, incluindo o fato de que as vacinas autônomas (como mencionadas acima) tornariam o consentimento informado um ponto discutível e tornariam impossível a triagem de indivíduos para contra-indicações, como alergias.

De acordo com Johns Hopkins e outros , outro grande desafio é o “risco não insignificante que mencionei acima, de o vírus da vacina reverter para a virulência de tipo selvagem”, criando uma oportunidade para as vacinas propagarem doenças em vez de preveni-las.

Na verdade, o mundo já está familiarizado com esse fenômeno na forma de vacinas orais contra a poliomielite. Embora não "intencionalmente projetadas dessa forma", as vacinas orais da pólio são consideradas "um pouco transmissíveis" e são reconhecidas como causadoras da pólio.

Dois cientistas que estão promovendo mais fortemente as vacinas de auto-transmissão argumentam que "mesmo ... onde a reversão é frequente, [seu] desempenho muitas vezes excede substancialmente o das vacinas convencionais, administradas diretamente."
.
Em setembro de 2020, dois pesquisadores que escreveram no Bulletin of the Atomic Scientists concordaram que as vacinas de auto-propagação podem ter desvantagens significativas e podem “acarretar sérios riscos”, especialmente porque os cientistas perdem o controle de sua criação depois de liberadas. Eles observaram: “Embora possa ser tecnicamente viável lutar contra doenças infecciosas emergentes ... com vírus que se espalham por si mesmos, e embora os benefícios possam ser significativos, como se pesa esses benefícios contra o que podem ser riscos ainda maiores?” Eles descreveram várias questões adicionais :

  • Quem toma as decisões sobre “onde e quando” a liberação das vacinas?
  • O que acontece quando há “resultados inesperados” e “consequências não intencionais”, como mutação, salto de espécie ou cruzamento de fronteira? Sobre as consequências não intencionais, os dois autores acrescentaram: “Sempre há.”
  • E quanto às armas biológicas e aos riscos de “uso duplo” - ou seja, usar a tecnologia para “causar danos deliberadamente” em vez de prevenir doenças? Os avanços na farmacogenômica , no desenvolvimento de medicamentos e na medicina personalizada, observaram os dois, podem permitir uma "guerra biológica ultra-direcionada".

Sobre o último ponto, os autores do Boletim chamaram a atenção dos leitores para os esforços de imunocontracepção em animais, bem como para um exemplo infame de "biologia armada" contra humanos na África do Sul da era do apartheid , chamado Project Coast , que buscou - supostamente sem sucesso - desenvolver um “'Vacina' contra infertilidade para ser usada em mulheres negras sem o seu conhecimento”.

Saiba sobre as vacinas auto-transmissíveis em:  ChildrenHealthDefense.org

Compartilhe:

EXPLORE MAIS SOBRE:

Ciência | Ciência e tecnologia | Coronavírus | Covid-19 | descobrindo | manipulação | saúde | Saúde e medicina | Sociedade | Vacina | Vacinação
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.