A fé do público no governo que deveria proteger nossas liberdades está se deteriorando

Compartilhar
A fé do público no governo que deveria proteger nossas liberdades está se deteriorando

Por quanto tempo mais podemos sustentar a ficção de que vivemos em uma "democracia", não posso dizer, mas a patocracia estar se espalhando sobre a nação.

Estamos testemunhando o afundamento dos brasileiros, uma injustiça atrás da outra. Dia após dia, os crimes do governo contra os cidadãos tornam-se mais flagrantes, traiçoeiros e trágicos. E dia após dia, o povo brasileiro acorda um pouco mais para a triste percepção de que se tornaram cativos em uma prisão que eles mesmos permitiram criar.

Não somos mais um povo livre, agora somos forçados, estimulados e vigiados por plutocratas e guardas armados nervosos, hipersensíveis que pouco se importam com os direitos da humanidade ou o bem-estar daqueles que estão sob seus aparentemente, cuidados.

Não é preciso ser um meteorologista para perceber quando uma tempestade está se formando: as nuvens se acumulam, o vento começa a soprar e uma tensão quase palpável aumenta.

É a mesma coisa com a liberdade.

Em princípio de eleições e suas consequências sem dúvida manterão os cidadãos divididos e na garganta uns dos outros, tão ocupados lutando entre si que nunca conseguirão apresentar uma frente unificada contra Políticos carismáticos psicopatas. No entanto, o vencedor já foi decidido.

Em outras palavras, nada mudará.

Não se pode ter uma forma de democrática do governo - quando o governo se considera superior aos cidadãos, quando não opera mais em benefício do povo, quando o povo não é mais capaz de agir pacificamente para reformar seu governo, quando os funcionários do governo deixarem de agir como servidores públicos, quando os eleitos não representarem mais a vontade do povo, quando o governo violar rotineiramente os direitos do povo e perpetrar mais violência contra os cidadãos do que contra a classe criminosa, quando o governo os gastos são inexplicáveis ​​e inexplicáveis ​​quando o judiciário atua como tribunais de ordem em vez de justiça, e quando o governo não está mais sujeito às leis da Constituição.

Por muito tempo, o povo obedeceu aos ditames do governo, por mais injusto que fosse.


Pagamos os impostos, penalidades e multas, por mais ultrajantes que sejam. Toleramos as indignidades, insultos e abusos, por mais flagrantes que sejam. Fizemos vista grossa às indiscrições e incompetências, por mais imprudentes que sejam. Temos mantido nosso silêncio em face da ilegalidade, licenciosidade e corrupção do governo, não importa o quão ilícito.

Por quanto tempo continuaremos a sofrer nas mãos de um estado policial tirânico depende de quanto estamos dispostos a lutar em prol da liberdade.

No momento, o povo parece satisfeito em sentar e assistir aos reality shows que hoje passam por política. É o equivalente moderno de pão e circo, um exercício cuidadosamente calibrado em como manipular, polarizar, propagandear e controlar uma população.

Como observou o filósofo francês Etienne de La Boétie meio milênio atrás:

“Peças teatrais, farsas, espetáculos, gladiadores, animais estranhos, medalhas, quadros e outros opiáceos semelhantes eram para os povos antigos a isca para a escravidão, o preço de sua liberdade, os instrumentos da tirania . Por meio dessas práticas e seduções, os antigos ditadores acalmaram seus súditos com tanto sucesso sob o jugo, que os povos entorpecidos, fascinados pelos passatempos e vãos prazeres que passavam diante de seus olhos, aprenderam a subserviência de maneira tão ingênua, mas não tão digna de crédito, como as crianças pequenas aprendem a ler olhando para livros ilustrados brilhantes. ”

A isca para a escravidão. O preço da liberdade. Os instrumentos da tirania.


Sim, parece certo.

“Nós, o povo” aprendemos muito bem como ser escravos. Pior, passamos a desfrutar de nossa servidão voluntária, que se disfarça de cidadania.

Esta eleição presidencial é mais uma chupeta para nos acalmar à complacência e nos cegar para os monstros em nosso meio.

Eu me recuso a ser pacificado, patrocinado ou aplacado.

Aqui está o meu plano: em vez de ficar grudado na TV, vendo políticos e cabeças falando regurgitarem as mesmas frases de efeito repetidamente, vou continuar fazendo o trabalho árduo que precisa ser feito para manter a liberdade viva neste país.

Como nos diz o homem barbudo em They Live :

Os pobres e as classes baixas estão crescendo. Justiça racial e direitos humanos não existem. Eles criaram uma sociedade repressiva e nós somos seus cúmplices involuntários. . . Eles estão desmantelando a classe média adormecida. Mais e mais pessoas estão se tornando pobres. Nós somos o gado deles. Estamos sendo criados para a escravidão.

 

Fonte: Rutherford.org
Compartilhar
Ajude-nos abrindo uma publicidade - Cique aqui
Ajude-nos abrindo uma publicidade - Cique aqui
Continue lendo após publicidade
Estar havendo uma extrema censura por parte dos gigantes da tecnologia. Por isso, incentivamos que todos que desejam receber nosso conteúdo valioso , a se inscreverem na nossa lista de e-mail. - Depois de se inscrever acesse sua caixa de entrada ou de spam para confirmar sua inscrição.
Siga nas redes | Instagram | Facebook |Twitter |Telegram

Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram