O biochip implantável financiado pela DARPA, e vacina de mRNA da Moderna à passos largos

Compartilhar - estamos no |Telegram
O biochip implantável financiado pela DARPA, e vacina de mRNA da Moderna à passos largos

Muitos que vinham alertando sobre as armadilhas globalísticas para guiar o mundo rumo a um governo global único, foram rotulados pela grande mídia de conspiracionistas, no qual estamos vendo agora todas essas "conspirações" se revelando nesses últimos tempos verdadeiras. De fato, uma dessas rotulações de conspiração é o conhecido microchip, que agora chegou e está sendo financiada por nada mais nada menos que a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa dos EUA, mais conhecida pelo acrônimo (DARPA).

O microchip seria capaz de ser implantada através de uma vacina experimental, desenvolvida em conjunto pela Moderna e o governo dos Estados Unidos, que poderia alterar o DNA humano.

O chip e a vacina foram construídos a partir de uma descoberta feita pelo então professor da Universidade de Harvard e eventual co-fundador da Moderna Derek Rossi em 2010. Em sua descoberta, que o cientista agora aposentado diz ter ocorrido por acidente, Rossi afirmou ter encontrado um maneira de “reprogramar” o ácido ribonucleico mensageiro (mRNA) - as moléculas que carregam instruções genéticas para o desenvolvimento celular no corpo humano.

A promessa oferecida pela descoberta de Rossi foi tal que lhe permitiu co-fundar a Moderna com a empresa de private equity Flagship Pioneering (Pioneira em capital privado). A empresa então atraiu quase meio bilhão de dólares do governo federal para começar a desenvolver vacinas com a nova tecnologia.

Mas os governos não precisam comercializar o chip como um método para rastrear e controlar suas populações. Em vez disso, eles estão comercializando o chip como uma forma de rastrear e detectar COVID e outros coronavírus. Claramente, esta é uma venda muito mais fácil para convencer o público literalmente aterrorizado por seus governos e meios de comunicação tradicionais aceitarem de boa-fé essa nanotecnologia.

Raul Diego detalha a criação e o lançamento do novo biochip em seu artigo, “ Um microchip implantável financiado pela DARPA para detectar COVID-19 pode chegar aos mercados em 2021, onde ele escreve:

A descoberta científica mais significativa desde a gravidade está oculta à vista de todos há quase uma década e seu potencial destrutivo para a humanidade é tão enorme que a maior máquina de guerra do planeta imediatamente implantou seus vastos recursos para possuí-la e controlá-la, financiando sua pesquisa e desenvolvimento por meio de agências como o National Institutes of Health (NIH), a (DARPA) e o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos (HHS),  Autoridade de Pesquisa Avançada e Desenvolvimento ('BARDA).

A descoberta revolucionária veio para um cientista canadense chamado Derek Rossi em 2010 puramente por acidente. O agora aposentado professor de Harvard afirmou em uma entrevista ao National Post que encontrou uma maneira de “reprogramar” as moléculas que carregam as instruções genéticas para o desenvolvimento celular no corpo humano, para não mencionar todas as formas de vida biológicas.

Essas moléculas são chamadas de 'ácido ribonucléico mensageiro' ou mRNA e a capacidade recém-descoberta de reescrever essas instruções para produzir qualquer tipo de célula dentro de um organismo biológico mudou radicalmente o curso da medicina e da ciência ocidentais, mesmo que ninguém tenha realmente notado ainda. Como o próprio Rossi coloca: “A descoberta realmente importante aqui é que agora você pode usar o mRNA e, se você o colocar nas células, poderá fazer com que o mRNA expresse qualquer proteína nas células, e essa foi a grande coisa . ” (Fonte)

Aqui está o que a tecnologia pode fazer


Essa nova tecnologia equivale ao controle remoto de processos biológicos.

Diego continua:

Já em 2006, a DARPA já estava pesquisando como identificar patógenos respiratórios superiores virais por meio de seu programa Predicting Health and Disease (PHD), que levou à criação do Escritório de Tecnologias Biológicas (BTO) da agência, conforme relatado por Whitney Webb em um Artigo de maio para The Last American Vagabond. Em 2014, o Escritório de Tecnologias Biológicas  da DARPA lançou seu programa “In Vivo Nanoplatforms” (IVN), que pesquisa nanotecnologias implantáveis, levando ao desenvolvimento de 'hidrogel'.

O hidrogel é uma nanotecnologia cujo inventor desde o início se gabou de que "Se [ele] der certo, com a aprovação do FDA agência de regulamentação dos EUA, os consumidores poderiam implantar os sensores em seu núcleo para medir seus níveis de glicose, oxigênio e lactato". Este material semelhante a lentes de contato requer um injetor especial a ser introduzido sob a pele, onde pode transmitir sinais digitais baseados em luz através de uma rede sem fio como 5G.

Uma vez implantadas firmemente no corpo, as células humanas ficam à mercê de qualquer programa de mRNA fornecido por meio desse substrato, desencadeando um pesadelo de possibilidades. É, talvez, o primeiro passo verdadeiro em direção ao transumanismo total . (Fonte)

Patrick Tucker, da Defense One, apresenta mais alguns detalhes sobre como o biochip funciona. Ele o descreve da seguinte maneira:

O sensor tem duas partes. Um deles é um fio de hidrogel de 3 mm , um material cuja rede de cadeias de polímero é usada em algumas lentes de contato e outros implantes. Inserido sob a pele com uma seringa, o fio inclui uma molécula especialmente projetada que envia um sinal fluorescente para fora do corpo quando o corpo começa a lutar contra uma infecção. A outra parte é um componente eletrônico preso à pele. Ele envia luz através da pele, detecta o sinal fluorescente e gera outro sinal que o usuário pode enviar a um médico, site, etc. É como um laboratório de sangue na pele que pode captar a resposta do corpo à doença antes da presença de outro sintomas, como tosse.

Você não ficará surpreso com quem apoia isso.


É claro que este projeto tem respaldo nos corredores do mundo corporativo e do governo americano.

A empresa privada criada para comercializar esta tecnologia, que permite que processos biológicos sejam controlados remotamente e abre a porta para a manipulação potencial de nossas respostas biológicas e, em última instância, toda a nossa existência, se chama Profusa Inc e suas operações são financiadas com milhões de NIH e DARPA . Em março, a empresa foi discretamente inserida no lotado bazar COVID-19 em março de 2020, quando anunciou um biochip injetável para a detecção de doenças respiratórias virais, incluindo COVID-19 . (Fonte)

Diego escreve,

O único obstáculo é um sistema de entrega, que embora a Moderna afirme estar desenvolvendo separadamente, é improvável que obtenha a aprovação do FDA antes da própria tecnologia de hidrogel desenvolvida pela DARPA do governo federal, em conjunto com a tecnologia de sensor de luz financiada pela Profusa DARPA, que deve receber autorização rápida da Food and Drug Administration (FDA) no início de 2021 e, mais do que provável, usada para implantar uma vacina contra o coronavírus com a capacidade de alterar literalmente nosso DNA.

Além disso, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) está atualmente investigando os pedidos de patente da Moderna, alegando que ela não divulgou “apoio do governo federal” em seus pedidos de patente de vacina candidata COVID , conforme exigido por lei. O detalhe técnico poderia resultar na propriedade do governo federal de 100 por cento do mRNA-1273. (Fonte)

Fonte:
WakingTimes.com
Continue lendo após a publicidade
Continue lendo após a publicidade
Estar havendo uma extrema censura por parte dos gigantes da tecnologia. Por isso, incentivamos que todos que desejam receber nosso conteúdo valioso , a se inscreverem na nossa lista de e-mail. - Depois de se inscrever acesse sua caixa de entrada ou de spam para confirmar sua inscrição.
Siga nas redes | Instagram | Facebook |Twitter |Telegram

Compartilhar

Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram