Notícias Recentes

Mercúrio e Timerosal em vacinas - Estudo do CDC à coloca em controversa

Mercúrio e Timerosal em vacinas - Estudo do CDC à coloca em sua própria controversa

Apesar de tantas agências reguladoras e estudos científicos em todo o mundo alertarem sobre o mercúrio nos peixes, alertando as mulheres grávidas para limitar o consumo de peixe, a fim de evitar a exposição do feto ao mercúrio por ser uma neurotoxina altamente venenosa, as agencias de saúde publica e autoridades de saúde continuam a empurrar vacinas carregadas com essa neurotoxina em mulheres gravidas crianças bebês e adultos como benéfica para a saúde humana.


No entanto um estudo realizado por dois cientistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, e publicados em Reviews of Environmental Contamination and Toxicology .refutou as alegações de longa data do CDC, e outras agências, de que o controverso ingrediente timerosal nas vacinas é relativamente inofensivo, e é liberado rapidamente do corpo. 

O que não é bem assim, os adjuvantes em vacinas na verdade dificilmente sai do corpo, e com um cronograma de vacinação de hoje, que quase todos os dias tem uma campanha ou vacina nova, que começa desde da mulher gravida, atingindo o feto muitas vezes(criança sai com má formação) até os bebês recém nascidos e assim por toda a vida são vacinados, sem duvidas isto acarretar um acumulo de substância toxicas no corpo para o resto da vida, o que levará a obter qualquer tipo de reação adversa, se não no momento da vacinação recente, então irá ocorrer uma doença no futuro como reação de efeito isso é fato.
"Este artigo científico é uma das mais importantes pesquisas a sair do CDC em uma década", disse Paul Thomas, MD, pediatra treinado em Dartmouth e que pratica medicina há 30 anos. “Isso confirma o que muitos já suspeitavam: que as autoridades de saúde pública estão cometendo um erro terrível ao recomendar que expomos bebês e mulheres grávidas a essa neurotoxina. Lamento dizer que dei essas fotos às crianças. O CDC nos levou a acreditar que era perfeitamente seguro. ”

O timerosal é um conservante de vacina, 49,6% de mercúrio em peso, introduzido pela primeira vez na década de 1940. No entanto, há 30 anos, muitos países começaram a remover o ingrediente das vacinas devido ao status indiscutível do mercúrio como neurotoxina.



O metilmercúrio, a neurotoxina altamente regulada encontrada em peixes, e o etilmercúrio (encontrado em produtos médicos, incluindo vacinas contra influenza e tétano, gotas para os ouvidos e sprays nasais) são igualmente tóxicos para os seres humanos. O metilmercúrio e o etilmercúrio compartilham propriedades químicas comuns e interrompem significativamente o desenvolvimento e a função do sistema nervoso central.

A meta-revisão de 45 páginas da ciência relevante examina as várias maneiras pelas quais o mercúrio prejudica o corpo humano. Seus autores, John F. Risher, PhD, e Pamela Tucker, MD, são pesquisadores da Divisão de Toxicologia e Ciências da Saúde Humana do CDC, Agência para Registro de Substâncias e Doenças Tóxicas.

A gravidade comparável aos seres humanos.


Com relação ao timerosal , os pesquisadores encontraram evidências de que o conservante é altamente tóxico, mesmo em doses muito baixas, causando mais danos que o metilmercúrio em alguns estudos. Em particular, o etilmercúrio no timerosal parece ser mais prejudicial às mitocôndrias que o metilmercúrio.

Os pesquisadores também descobriram que, ao contrário das alegações do CDC, o etilmercúrio produzido pelo metabolismo do timerosal não sai do corpo rapidamente. Em vez disso, é decomposto em metabólitos altamente neurotóxicos.

Os pesquisadores descobriram estudos que mostram uma ampla variedade de efeitos causados ​​pelo etilmercúrio e pelo metilmercúrio, incluindo: dano ao DNA, síntese de DNA prejudicada, estresse oxidativo, criação de radicais livres, diminuição da atividade da glutationa (levando à diminuição da atividade antioxidante), dano ao fuso aparelho durante a divisão celular, ligação ao aminoácido cisteína, inibindo a incorporação do ácido araquidônico do ácido graxo nas membranas celulares, superprodução de óxido nitroso, interrupção do glutamato e homeostase intracelular do cálcio e interrupção da liberação e ligação de neurotransmissores.

Boyd Haley, presidente emérito do Departamento de Química da Universidade de Kentucky e uma das principais autoridades mundiais em toxicidade ao mercúrio, chamou o estudo de “bomba nuclear”. “É uma rejeição momentânea de uma ortodoxia médica amplamente difundida que dita mudanças de política ainda mais significativas do que as reversões do estabelecimento médico em talidomida, calomel em pó para dentes, raios-x durante a gravidez ou exposição ao chumbo em crianças ”, disse ele.

"Em cada um desses casos, milhares de crianças foram feridas ou mortas antes que um estabelecimento médico entrincheirado estivesse finalmente disposto a abandonar tratamentos que estavam inquestionavelmente causando grandes danos".

Receba as notícias do Coletividade Evolutiva em primeira mão. Siga-nos nas redes sociais! Facebook - Twitter - Instagram - Receber por e-mail - Ajudar o Site



Fabio Allves

Fundador:Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Ao longo da vida busquei explorar os mistérios e os conhecimentos ocultos que cercam o planeta e as origens da humanidade, questionando as raízes do que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao despertar a sociedade (Saber Mais)