Notícias Recentes

O experimento com mosquitos transgênicos deu terrivelmente errado, e as consequências podem ser uma pandemia

O experimento com mosquitos transgênicos deu terrivelmente errado, e as consequências podem ser uma pandemia

Lembra-se quando a grande mídia fez a maior propaganda do experimento em campo aberto com a liberação de mosquitos geneticamente modificados (MGM) na natureza para supostamente erradicar todos os mosquitos selvagens, não transgênicos? 

Durante esse período,os moradores do distrito Pedra Branca, em Jacobina (BA) foram infestados com milhares e milhares de Aedes aegypti geneticamente modificados (AGM) pela empresa Oxitec. Participaram a organização social Moscamed e a Secretaria Municipal de Saúde. Aparentemente inofensivos, tinham a missão de copular com fêmeas do Aedes selvagem e transmitir aos descendentes os genes capaz de matá-los antes de chegar à idade reprodutiva. 

A princípio, o experimento aparentemente pareceu funcionar. Nos 18 meses iniciais do experimento realizado - no qual 450.000 mosquitos machos geneticamente modificados foram liberados na natureza - no entanto o experimento em campo aberto, expondo todos os moradores em um perigo constante, deu errado.

Conforme publicado na revista Nature , em um estudo intitulado " Mosquitos transgênicos do Aedes aegypti transfere genes para uma população natural ", os mesmos genes modificados que nos disseram que nunca seriam passados ​​para as populações de mosquitos "em estado selvagem", de fato, fez exatamente o oposto que a grande mídia e seus asseclas disseram para a sociedade.

Alimentada por esses novos genes (e combinada com algumas adaptações comportamentais explicadas abaixo), a população de mosquitos voltou a crescer. Pior ainda, agora as populações selvagens de mosquitos têm esses genes "mutantes" que foram combinados das populações de mosquitos de Cuba e do México, o que significa que esses novos mosquitos aprimorados por genes agora são uma espécie de inseto "super mutante" que pode ser resistente a todos tipos de inseticidas e sabe se lá o que mais podem causar.

Como o estudo da nature revela:


Evidentemente, descendentes híbridos viáveis ​​e raros entre a cepa de liberação e a população de Jacobina são suficientemente robustos para poder se reproduzir na natureza. A cepa de liberação foi desenvolvida usando uma cepa originária de Cuba e depois cruzada para uma população mexicana. Assim, em Jacobina Ae. aegypti são agora uma mistura de três populações. Não está claro como isso pode afetar a transmissão da doença ou outros esforços para controlar esses vetores perigosos.

Nossos dados mostram claramente que a liberação do OX513A levou a uma transferência significativa de seu genoma (introgressão) para a população natural de em Jacobina de Ae. aegypti. O grau de introgressão não é trivial. Dependendo da amostra e critério usado para definir introgressão inequívoca, de cerca de 10% a 60% de todos os indivíduos têm algum genoma de OX513A (Tabelas 1 e E1).
No entanto, é claro a partir dos dados de Garziera et al.6 que a eficácia do programa de liberação começou a se deteriorar após cerca de 18 meses, ou seja, a população que havia sido bastante reprimida recuperou-se para níveis quase pré-liberação.
Além disso, a introgressão pode introduzir outros genes relevantes, como a resistência a inseticidas. A cepa de liberação, OX513A, foi derivada de uma cepa de laboratório originária de Cuba e depois cruzada para uma população mexicana7. As três populações que formam a população tri-híbrida atualmente em Jacobina (Cuba / México / Brasil) são geneticamente bastante distintas (Dados Estendidos Fig. E2), provavelmente resultando em uma população mais robusta que a população de pré-liberação devido ao vigor híbrido.

O fracassado experimento da biotecnologia do Aedes GM pode ter causado alterações ecológicas ainda desconhecidas em Jacobina e em seus moradores. Isso porque os milhões de transgênicos OX513 liberados na pequena cidade do sudoeste baiano transferiram seus genes modificados em laboratório para a população natural de Aedes aegypti. Ou seja, os transgênicos teriam se reproduzido e se perpetuado no ambiente. O dado, que desmente a Oxitec.


… [O] estudo de Yale mostrou não apenas que os descendentes dos mosquitos transgênicos haviam se reproduzido, mas a população de mosquitos em Jacobina agora é uma mistura de seus tipos originais com os de Cuba e México, provavelmente levando a uma população mais robusta…

O experimento falhou totalmente em alcançar o resultado prometido de acabar com os mosquitos também. “[F] as fêmeas começaram a evitar o acasalamento com machos modificados, alimentando uma recuperação da população”, escreve Hathaway no Yale News. Na realidade, esse experimento maluco de MGM de ciência resultou em mosquitos mais fortes e adaptáveis ​​que provavelmente matarão ainda mais seres humanos, ou até mesmos a problemas de infertilidade em seres humanos, não certo, mas com esse experimento louco, digamos que tudo é possível nessas circunstâncias

Também é interessante notar que, mesmo entre os mosquitos, as fêmeas não querem acasalar com machos mais fracos que produzem filhotes estéreis. Mesmo nos insetos, em outras palavras, a masculinidade e a virilidade têm valor reconhecido pela continuação das espécies. No entanto, de alguma forma, graças ao “progressivismo” moderno, a masculinidade é atacada entre os seres humanos, e a cultura pop distorcida continua tentando feminizar todos os homens em transgêneros esterilizados e nulos que são incapazes de se reproduzir. Os mosquitos, em outras palavras, parecem ser mais espertos que os liberais quando se trata de escolher um parceiro. Recomendado: Mosquitos GM: Assessoria de imprensa da Oxitec dar esclarecimentos ao Coletividade Evolutiva

Receba as notícias do Coletividade Evolutiva em primeira mão. Siga-nos nas redes sociais! Facebook - Twitter - Instagram - Receber por e-mail - Ajudar o Site



Fabio Allves

Fundador:Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Ao longo da vida busquei explorar os mistérios e os conhecimentos ocultos que cercam o planeta e as origens da humanidade, questionando as raízes do que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao despertar a sociedade (Saber Mais)