Publicidade

Ministra da Agricultura diz: Mais veneno para o povo é “modernidade”

Primeiro pulverizam suas plantações, depois os alimentos são vendidos, e levamos para casa, aparentemente tudo certo, mas ai que vem o problema, esses agrotóxicos vem alojados nesses produtos além do fato de serem …

Ministra da Agricultura diz: Mais veneno para o povo é “modernidade”

Primeiro pulverizam suas plantações, depois os alimentos são vendidos, e levamos para casa, aparentemente tudo certo, mas ai que vem o problema, esses agrotóxicos vem alojados nesses produtos além do fato de serem geneticamente modificados, e ao consumi-los a longo e médio prazo, estamos nos envenenando a nós mesmos.

Esse estudo em questão, que foi conduzido por Gilles-Eric Séralini. O estudo de alimentação ao longo da vida , publicado em 2012, revelou numerosos problemas chocantes em ratos alimentados com milho OGM, incluindo tumores massivos e morte prematura. Os ratos que receberam glifosato em sua água potável também desenvolveram tumores.

A pulverização e fortemente usada em todos os alimentos transgênicos, tais como soja, milho, algodão, canola, que é uma planta para fazer o óleo de canola, e beterraba, etç... Os efeitos estão ligados ao autismo, câncer, asma, síndrome do intestino inflamatório, obesidade, Transtorno do deficit de atenção com hiperatividade, doença de Alzheimer, doença de Parkinson, esclerose múltipla, infertilidade e malformações do desenvolvimento etc.. a lista é imensa, e é verdadeiramente uma redução populacional levada a cabo através dos próprios cidadãos aceitando e consumindo venenos. 

Sejamos realistas, vivemos em mundo fascista, e entre os países mais fortemente armado no fascismo, é o Brasil - A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que haverá cada vez mais aprovação de registros de agrotóxicos, o que segundo ela é necessário para o Brasil "entrar na modernidade", no que na verdade, é envenenar cada vez mais o país, e consequentemente doenças e mortes, e meio ambiente. 

Claramente estamos vendo ela trabalhando muito bem para a corporação Monsanto pertencente agora a indústria farmacêutica Bayer – coincidência ? Envenenar, para vender, mais medicamentos . Certamente está recebendo muito dinheiro por parte da corporação Bayer, para realizar um marketing, tão enganoso, e extremamente mentiroso, pois, segundo ela, os produtos autorizados atualmente têm “menos” toxicidade e são melhores para o País, o que não significa que não possa contaminar o meio ambiente, e a população, mesmo se expostos à baixas concentrações de venenos contidos nos alimentos expostos aos venenos. 

Pergunta-se, qual a quantidade de veneno de uma cobra venenosa podemos ser expostos? 

Incrivelmente o fascismo e de se indignar


Como temos relatados aqui no Coletividade Evolutiva, as agências reguladoras, são financiadas pelas próprias corporações assim como a mídia convencional, simplificando, são todos do mesmo pacote, todas fascistas, que visão sempre o lucro, e não o bem da sociedade. 

Inúmeros fatos, e estudos científicos independentes comprovar de forma irrefutável, o quanto os agrotóxicos são venenosos, diretamente e indiretamente, e muitos outros químicos prestes a ser lançados, serem altamente venenosos tanto para os humanos quanto para a natureza, em geral — A própria Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que é também vinculada com o Ministério da Saúde, novamente, tem negado os fatos, e tem criados dados falsificados para promover as corporações dos químicos, levando assim aceitação do público como um ingrediente benéfico para a agricultura,e sem perigo para a ingestão de alimentos banhados com o veneno,— estão constantemente defendendo os venenos das corporações responsáveis por envenenamento em massa. 

Crianças expostas a pesticidas têm risco aumentado de autismo 


No maior estudo epidemiológico até o momento sobre a ligação entre a exposição a pesticidas e autismo, os pesquisadores descobriram que as crianças que são expostas a pesticidas, tanto no útero e em seus primeiros anos têm uma maior chance de desenvolver a doença. 

O aumento do risco em questão não é pequeno. Na verdade, as mulheres grávidas que viviam a apenas 1,2 milhas de uma área agrícola na Califórnia, que é altamente pulverizada com pesticidas, tiveram crianças com probabilidade 10 a 16 por cento maior de desenvolver autismo. Além disso, essas crianças eram 30% mais propensas a desenvolver um tipo grave de autismo que afeta sua capacidade intelectual. 

O estudo mostrou que os primeiros anos da vida de uma criança podem ter importância ainda maior nesse sentido. As crianças que foram expostas a pesticidas no primeiro ano de vida viram seu risco de desenvolver autismo aumentar em impressionantes 50%. 

O estudo analisou cerca de 3.000 crianças com autismo nascidas entre os anos de 1998, em 2010, e comparou essas crianças a outras 35.000 sem a condição. Eles analisaram a exposição a 11 pesticidas, em particular, que já foram ligados à deficiência intelectual. Estes incluem clorpirifós, permetrina e diazinona. 

Os pesquisadores descobriram que o maior risco se manteve mesmo depois de contabilizar fatores como o status econômico da mãe e se ela vivia em uma área rural ou urbana. Embora o estudo não tenha estabelecido a causa da exposição aos pesticidas, a conexão é difícil de ignorar.

Publicidade


Notícia Em: / / / / / /

Fabio Allves

Fundador: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais