Estudo: Antidepressivos ligados a demência: Trocando uma condição por outra

Compartilhar
Estudo: Antidepressivos ligados a demência: Trocando uma condição por outra

Os antidepressivos e anti-histamínicos estão entre os tipos mais comuns de medicamentos que as pessoas tomam, e eles pertencem a uma classe de drogas conhecidas como anticolinérgicos. 

Em um estudo diferente envolvendo quase 3.500 pessoas, os pesquisadores chegaram a uma conclusão, descobrindo que aqueles que usavam anticolinérgicos tinham uma maior probabilidade de desenvolver demência, e seu risco aumentava de acordo com sua dose cumulativa.

Especialistas dizem que tais descobertas são um bom lembrete de que as pessoas devam avaliar todos os medicamentos que estão tomando de vez em quando para ver se estão realmente fazendo "bem" ou mais mal do que o estudo revela. Por exemplo, se você está tomando antidepressivos e ainda está deprimido, os medicamentos podem não estar ajudando. Muitos desses medicamentos têm alternativas mais seguras, incluindo abordagens não medicamentosas que podem fazer a diferença de forma segura e eficaz.

Com o número de pessoas que sofrem de Alzheimer deve triplicar até 2050, é importante fazer todo o possível para minimizar o risco - e isso inclui ficar longe de drogas da grande indústria farmacêutica.

Outros estudos chegaram a uma conclusão semelhante 

Outro estudo, que foi publicado no BMJ , envolveu mais de 40.000 pacientes com demência e mais de 283.000 pessoas que não têm demência e os acompanharam de 2006 a 2015. Eles descobriram que as pessoas que tinham demência tinham uma maior probabilidade de terem recebido a classe 3 de drogas anticolinérgicas antes de desenvolver a doença.

Esses medicamentos bloqueiam as ações da acetilcolina no cérebro, o que pode impedir que ela cause movimentos involuntários nos músculos dos pulmões, do trato urinário, do trato gastrointestinal e de outras partes do corpo.

Embora o maior risco variasse dependendo das drogas, alguns deles aumentaram o risco em 30%. Nem todo medicamento anticolinérgico teve o efeito, mas usar alguns deles até em 20 anos aumentou o risco de demência de uma pessoa mais tarde. De um modo geral, eles acreditam que uma pessoa com idade entre 65 e 70 anos vê o risco de demência aumentar em 19% se usarem antidepressivos anticolinérgicos. A associação com demência aumenta com os maiores níveis de exposição aos medicamentos.

O estudo foi elogiado por especialistas por sua força e uso de bancos de dados de saúde do Reino Unido, em vez de confiar na evocação de pacientes, o que nem sempre é confiável.

Acredita-se que os medicamentos tenham esse efeito porque os anticolinérgicos reduzem os níveis de uma substância química chamada acetilcolina no cérebro, que é um mensageiro crucial nas vias da memória. Esse é um efeito conhecido que já impede que alguns médicos prescrevam tais medicamentos a pacientes mais velhos e frágeis.
Ajude-nos abrindo uma publicidade - Cique aqui
Ajude-nos abrindo uma publicidade - Cique aqui
Continue lendo após publicidade
Estar havendo uma extrema censura por parte dos gigantes da tecnologia. Por isso, incentivamos que todos que desejam receber nosso conteúdo valioso , a se inscreverem na nossa lista de e-mail. - Depois de se inscrever acesse sua caixa de entrada ou de spam para confirmar sua inscrição.
Siga nas redes | Instagram | Facebook |Twitter |Telegram
Compartilhar

Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram

Mais