Notícias Recentes

Google aumenta a enganação de clientes sobre sua manipulação política

Google aumenta a enganação de clientes sobre sua manipulação política

Depois de várias fontes confirmarem a longa acusação de que o Google infunde suas preferências políticas e seus produtos, não nos é de admirar o porque do Coletividade Evolutiva ter sido rebaixado nas pesquisas orgânicas do Google, por postarmos informações reais sobre as grandes corporações e seus produtos de alto ricos a saúde da sociedade, e até mesmo Facebook limitou o alcance das nossas postagens compartilhadas, um exemplo disso foi que em uma de nossas postagens compartilha em nossa página do Facebook, ouve mais de 400 compartilhamentos, com um alcance de trezentas e poucas pessoas apenas, isso significa fim de toda informação real, e um censuramento e distorções de todos aqueles como nós do Coletividade Evolutiva, que presa pelo o conservadorismo das boas praticas para com a sociedade. 

Por outro lado o compartilhamento realizado diretamente do site mostra que ouve mais de 1000 compartilhamentos nas redes sociais como você pode ver aqui - veja mais sobre manipulação do Google aqui

(Artigo por Petr Svab republicado de TheEpochTimes.com )

Uma exposição de 24 de junho do Project Veritas mostrou vários funcionários do Google e um cache de documentos internos descrevendo os métodos que o Google usou para ajustar seus produtos para, sub-repticiamente, levar seus usuários a uma certa visão de mundo.

Um funcionário até disse, quando capturado por uma câmera escondida, que o objetivo do Google era impedir que o presidente Donald Trump, ou qualquer pessoa como ele, fosse eleito novamente - uma afirmação confirmada por outro funcionário que falou sob a condição de anonimato.

Porta-vozes do Google não conseguiram produzir uma resposta oficial, mas dois de seus executivos foram questionados sobre as revelações - em uma audiência do Senado em 25 de junho e outra em uma audiência no dia seguinte.

Durante a audiência do Comitê de Segurança Doméstica de 26 de junho, a deputada Debbie Lesko (R-Ariz.) Confrontou Derek Slater, diretor global de política de informação do Google, com um dos documentos vazados sobre “injustiça algorítmica” ( pdf ).

“Imagine que uma consulta de imagens do Google para 'CEOs' mostre predominantemente homens. Mesmo que fosse uma representação factualmente precisa do mundo, seria uma injustiça algorítmica ”, diz o documento, explicando que, em alguns casos,“ pode ser desejável considerar como poderíamos ajudar a sociedade a alcançar um estado mais justo e equitativo, via… intervenção no produto. ”

"O que isso significa Sr. Slater?" Lesko perguntou.

"Eu não estou familiarizado com o slide específico", disse ele. “Mas acho que estamos chegando lá quando estamos projetando nossos produtos, novamente, estamos projetando para todos. Temos um conjunto robusto de diretrizes para garantir que estamos fornecendo informações relevantes e confiáveis. Trabalhamos com um grupo de Avaliadores em todo o mundo, em todo o país, para garantir que essas Diretrizes para o Search Rater sejam seguidas, que sejam transparentes e estejam disponíveis para você ler na Web. ”

"Tudo certo. Bem, eu pessoalmente não acho que respondeu a pergunta, ”ela respondeu.

Da mesma forma, Maggie Stanphill, chefe do Digital Wellbeing do Google, foi questionada pelo membro do Comitê de Comércio do Senado, Ted Cruz (R-Texas) no dia anterior.

Ele perguntou se Stanphill concordou com uma citação de um dos documentos vazados dizendo que o Google deveria "intervir por justiça" em seus algoritmos de aprendizado de máquina. Stanphill disse que ela não concordava com isso.

Mas o Google já colocou em prática a doutrina da “justiça”, com base no que dizem os funcionários e os documentos do relatório do Project Veritas.

'Injustiça algorítmica'


“Nosso objetivo é criar uma definição de toda a empresa de injustiça algorítmica que… estabelece uma compreensão compartilhada de injustiça algorítmica para uso no desenvolvimento de ferramentas de medição, política de produtos, resposta a incidentes e outras funções internas”, diz um documento atualizado pela última vez em Fevereiro de 2017.

"O que eles estão realmente dizendo sobre justiça é que eles têm que manipular seus resultados de pesquisa para que eles tenham a agenda política que eles querem", disse o insider não identificado.

Por exemplo, quando alguém digita na barra de pesquisa do Google “homens podem” e cria um espaço, o mecanismo de pesquisa sugere frases como: “homens podem ter bebês”, “homens podem engravidar” e “homens podem ter menstruação”.

Quando alguém digita “mulheres pode” e faz um espaço, as sugestões mostrariam frases como: “mulheres podem votar”, “Mulheres podem fazer qualquer coisa” e “mulheres podem ser recrutadas”.

Isso não é porque essas frases são tão populares entre os usuários, mas porque o algoritmo de "justiça" as tirou das chamadas "fontes de verdade" - elas refletem a narrativa política que o Google deseja, disse o informante.

Além disso, o Google adotou a doutrina, mantendo seus usuários no escuro, disse ele. Um dos documentos diz que "não é um objetivo neste momento liberar essa definição [de injustiça algorítmica] externamente".

Receba as notícias do Coletividade Evolutiva em primeira mão. Siga-nos nas redes sociais! Facebook - Twitter - Instagram - Receber por e-mail



Coletividade Evolutiva

Site: Coletividade Evolutiva
O Coletividade Evolutiva, esta ligado ao dever e justiça de informar a sociedade de forma que ajudarão a viver melhor, enxergar através das cortinas que nos limitam o pensamento, quebrando assim as velhas formas de pensar. Examinamos o que percebemos como os problemas mais importantes em nossa sociedade atual, discutimos possíveis soluções e alternativas que podem nos ajudar a reconstruir nossa sociedade.Publicamos informações que nos desafiam o pensamento e os nossos preconceitos. (Saber Mais)