Notícias Recentes

A vacina contra o sarampo é mais perigosa que a doença?

A vacina contra o sarampo é mais perigosa que a doença?

Entre os muitos efeitos colaterais comuns associados à vacina MMR estão febre baixa, erupções cutâneas, vermelhidão da pele, inchaço, comichão, urticária e fraqueza corporal - e estes são apenas os menores .

A indústria farmacêutica, e os órgãos reguladores governamentais como o CDC ( Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA ) e a FDA (Administração de Comida e Droga também dos EUA) e a OMS (Organização Mundial de Saúde), asseguram ao mundo que as vacinas são 100% seguras e eficazes, e que há uma ciência comprovada, que foi em termos de estudos realizadas e aprovadas para o publico . 

Porém parece que essa ciência desses órgãos e autoridades de saúde, não passam de uma fraude cientifica enganosa, e de marketing, pois os fatos e ações contradizem totalmente as meras palavras deles. Pois o que esses mesmos órgãos e autoridades de saúde não estão revelando é o fato de que a vacina MMR traz consigo alguns riscos muito sérios, no qual faz com que você seja mais agredido com a vacina do que com a própria doença. 

Entre os muitos efeitos colaterais comuns associados à vacina MMR estão febre baixa, erupções cutâneas, vermelhidão da pele, inchaço, comichão, urticária e fraqueza corporal. Em casos mais graves, a vacina MMR pode desencadear convulsões, visão dupla, dores de cabeça intensas, vômitos, dor nas articulações e problemas digestivos. Recomendado: Surto de sarampo esta acontecendo em populações vacinadas veja o que não querem que você saiba

E em casos ainda mais extremos, a vacina MMR é conhecida por causar: 


  • • encefalite (inflamação do cérebro) 
  • • encefalopatia (disfunção cerebral crónica) 
  • • paniculite (inflamação da camada de gordura debaixo da pele) 
  • • síncope (perda súbita de consciência, desmaio) 
  • • vasculite (inflamação dos vasos sanguíneos) 
  • • pancreatite (inflamação do pâncreas) 
  • • diabetes mellitus 
  • • púrpura trombocitopênica (desordem sanguínea) 
  • • leucocitose (contagem alta de leucócitos) 
  • • anafilaxia (choque) 
  • • espasmos brônquicos 
  • • artrite e artralgia (dor nas articulações) 
  • • mialgia (dor muscular) 
  • • polineurite (inflamação de vários nervos simultaneamente) 

A Merck & Co. adverte no folheto informativo que a MMR é extremamente arriscada


É bem grande a lista de potenciais efeitos adversos, mas ainda não é a extensão completa. Acredite ou não, outro possível efeito colateral do MMR é o próprio sarampo , a doença que esta vacina altamente controversa deveria supostamente protegê-lo . Recomendado: Confirmado - As vacinas contra sarampo matam mais crianças do que o sarampo

O Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas dos EUA (FDA) está cheio até a borda com relatos de reações sérias, hospitalizações, ferimentos e mortes após a vacinação com MMR, a maioria dos quais ocorre em crianças com três anos de idade ou mais jovem. Mas raramente, se alguma vez, o público diz a verdade sobre isso. 

Além disso, o pacote oficial Merck & Co. para MMR admite que estes resultados terríveis são realmente possíveis, e que algumas pessoas que são vacinadas com MMR podem obter e espalhar o sarampo para outras pessoas - mas, novamente, esta informação nunca parece fazer manchetes. 

Em 30 de novembro de 2018, havia quase 100.000 relatórios submetidos ao VAERS sobre os efeitos adversos causados ​​pela MMR. E ainda, os principais meios de comunicação teriam todos nós acreditamos que MMR nunca realmente causa quaisquer problemas sérios, e que os benefícios de ser agredido com MMR superam os riscos.

Tenha em mente que os casos reportados ao VAERS representam apenas uma fração do valor real, a grande maioria dos quais nunca chega aos conjuntos de dados oficiais.

Análise do Sistema de Informação da Vigilância de Eventos Adversos Pós-Vacinação no Brasil, 2014 a 2016


Aqui no Brasil, pouco conhecido e falado sobre, e pouco se sabe onde notificar efeitos adversos, e consequentemente poucas notificações terão -porém encontrei apenas um formulário, aqui da Anvisa, que segundo eles, será uma espécie de plataforma de farmacovigilância, no qual nós não podemos ter acesso aos dados. O usuário registra a queixa de maneira anônima e as notificações são enviadas para um banco de dados, que depois será enviado para a Organização Mundial de Saúde (OMS). No entanto, somente tem acesso às informações quem cadastrou a notificação e as agências de vigilância sanitárias municipais e estaduais, além da Anvisa. As queixas cadastradas são analisadas conforme a gravidade do efeito colateral.

- Análise do Sistema de Informação da Vigilância de Eventos Adversos Pós-Vacinação (EAPV) no Brasil, 2014 a 2016, dados do scielosp.org/article,

RESUMO 

Objetivo 

Descrever as características das notificações de eventos adversos pós-vacinação (EAPV) no Sistema de Informação da Vigilância de EAPV (SI-EAPV) on-line nos primeiros 2 anos de operação do sistema. 

Método 

Foi realizado um estudo descritivo dos registros de EAPV notificados no SI-EAPV entre julho de 2014 e junho de 2016. 

Resultados 

Durante o período do estudo, foram registradas 24 732 notificações. De 5 570 municípios brasileiros, 2 571 (46,2%) realizaram notificação de algum EAPV. Entretanto, somente 1 622 (6,6%) notificações estavam encerradas no momento do estudo; dessas, 89,9% não apresentaram gravidade. Entre as notificações encerradas, 19,7% não tiveram o preenchimento da variável “atendimento médico” e 98,7% não apresentaram registro de exames laboratoriais. As manifestações clínicas sistêmicas neurológicas foram as mais frequentes entre os eventos adversos graves encerrados, correspondendo a 59,5% dos sinais e sintomas. Em relação à idade, os maiores coeficientes de notificação foram registrados entre os menores de 4 anos. 

Conclusão 

O SI-EAPV mostra-se útil no monitoramento da segurança das vacinas. Contudo, os municípios precisam ampliar a adesão ao sistema, bem como realizar as investigações e notificações dos EAPV, preenchendo a ficha de notificação de forma adequada e oportuna. O conhecimento sobre EAPV pode ser aplicado na prática dos serviços de vigilância em saúde, melhorando a segurança de utilização dos imunobiológicos. 

Receba as notícias do Coletividade Evolutiva em primeira mão. Siga-nos nas redes sociais! Facebook - Twitter - Instagram - Receber por e-mail - Ajudar o Site



Fabio Allves

Fundador:Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Ao longo da vida busquei explorar os mistérios e os conhecimentos ocultos que cercam o planeta e as origens da humanidade, questionando as raízes do que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao despertar a sociedade (Saber Mais)