Publicidade

Seu microbioma com drogas farmacêuticas

O Nature, uma das mais conceituadas revistas científicas do mundo, publicou um estudo inovador sobre a interação entre drogas farmacêuticas e o microbioma humano, revelando na verdade como sempre, um grande desa…

Seu microbioma com drogas farmacêuticas

O Nature, uma das mais conceituadas revistas científicas do mundo, publicou um estudo inovador sobre a interação entre drogas farmacêuticas e o microbioma humano, revelando na verdade como sempre, um grande desastre químico no corpo. 

O estudo descobriu que as bactérias saudáveis ​​eram mais propensas a serem prejudicadas do que os vírus patogênicas. Isto significa por exemplo, que é como se você pulverizasse um veneno em seu jardim que ataca preferencialmente as plantas normais e as ervas daninhas. 

O nosso microbioma humano é o agregado de microorganismos que residem em, ou dentro de um número de tecidos e biofluidos humanos, incluindo a pele, glândulas mamárias, placenta, fluido seminal, útero, folículos ovarianos, pulmão, saliva, mucosa oral, conjuntiva, biliares e tratos gastrointestinais . 

Estudos iniciais já mostram evidências claras de que muitas drogas farmacêuticas (se não todas) estão prejudicando o microbioma. O fato de essas drogas estarem no mercado há décadas e agora estamos começando a aprender sobre seus efeitos no microbioma mostra quão pouco sabemos sobre elas. 

A má saúde intestinal está ligada a dezenas de doenças, especialmente: Doenças auto-imunes (artrite, doença inflamatória intestinal, doença de Hashimoto, Distúrbios cerebrais / declínio cognitivo (Alzheimer, demência, etc. / Câncer, Fadiga e dor nas articulações, Transtornos do humor (depressão, ansiedade), Dificuldades de aprendizado (TDAH, autismo), Infertilidade e complicações na gravidez, e Alergias e asma..

Mesmo sendo drogas não-antibióticas prejudicam o microbioma


O termo "Eixo Intensivo-Cerebral" foi criado pela primeira vez na década de 1960.  Foi originalmente usado para descrever os muitos sinais que o cérebro envia para o intestino. Todo mundo sabe que o cérebro controla o corpo, mas o que controla o cérebro?

Um dos maiores avanços em nossa compreensão das doenças psiquiátricas (e de todas as doenças humanas) é que esse eixo do intestino-cérebro é, na verdade, uma via de mão dupla. Os 10 trilhões de bactérias que residem no intestino enviam sinais para as células intestinais chamadas enterócitos. Esses enterócitos liberam hormônios, citocinas e outros sinais no sangue que circulam de volta ao cérebro.  Existem outras maneiras de o intestino se comunicar com o cérebro, mas isso dá uma idéia de como essa conexão aparentemente estranha funciona. Além disso, você pode ver o quão importante é o intestino para a saúde mental e bem-estar geral.

Você encontrará informações abrangentes neste site sobre o eixo do intestino e os tipos de coisas que danificam nosso microbioma . No entanto, uma nova pesquisa sugere que muitas drogas farmacêuticas que antes eram consideradas seguras para o microbioma, na verdade podem estar causando danos.

Em um laboratório, 40 cepas bacterianas comumente encontradas no intestino foram testadas contra 1.079 drogas farmacêuticas para ver quais drogas inibiam o crescimento de bactérias intestinais. Drogas que pararam o crescimento de pelo menos uma cepa bacteriana foram consideradas um 'sucesso' e provavelmente têm efeitos colaterais semelhantes aos antibióticos em humanos. As drogas testadas foram divididas em três grupos com base em seus alvos celulares: 

  • 1. Antibióticos (bactérias dos alvos) uma. Como esperado, a maioria dos antibióticos testados inibiu o crescimento de pelo menos uma estirpe de bactérias intestinais.
  •  2. Drogas Anti-Infecciosas (Alvos parasitas, protozoários, fungos e vírus) uma. 53% dessas drogas inibiram o crescimento de pelo menos uma linhagem de bactérias. Isso é um tanto surpreendente, já que essas drogas não são projetadas para atacar bactérias, mas mais da metade o fez.. 
  • 3. Drogas Humanas Direcionadas (Embora este nome seja confuso, significa simplesmente qualquer droga projetada para afetar um humano em oposição a um micróbio). uma. 24% desses medicamentos tiveram efeitos colaterais semelhantes aos antibióticos. Isso incluiu drogas de todas as principais classes. Os exemplos incluem: antipsicóticos, bloqueadores dos canais de cálcio, anti-histamínicos, inibidores da bomba de prótons, medicamentos para a tireóide, anticoagulantes, anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs) e antidiabéticos, como a metformina. 

Esses dados são inovadores. Isso sugere que muitas drogas farmacêuticas, não apenas antibióticos, são capazes de modular o microbioma. 

Por exemplo, as drogas antipsicóticas funcionam, teoricamente, agindo nos receptores de dopamina e serotonina no cérebro humano. Esses receptores não são encontrados em bactérias. Portanto, eles não devem ter efeito sobre as bactérias no intestino. No entanto, não é isso que este estudo encontrou. Como mencionado acima, 24% das drogas projetadas para células humanas também afetaram negativamente as bactérias do intestino. Isso sugere que, toda vez que você tomar um antipsicótico, um AINE, metformina ou muitos outros, estará prejudicando seu microbioma. 
Publicidade


Notícia Em: / / / / /

Fabio Allves

Fundador: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais