Dra. Suzanne Humphries alvejada pelo FBI, ameaçada de morte, por apontar fatos sobre vacinas

Dra. Suzanne Humphries alvejada pelo FBI,  ameaçada de morte, por apontar fatos sobre vacinas

A Dra. Suzanne Humphries, uma nefrologista conhecida por se manifestar contra as vacinas . No entanto as  autoridades foram incrivelmente inúteis em investigar as ameaças de morte horripilantes que ela recebeu recentemente.

Em 18 de janeiro, ela recebeu uma carta descrevendo como o autor gostaria de levá-la a algum lugar e torturá-la. O autor diz também que iria matá-la enquanto ela estivesse realizando palestra, e depois vê-la sangrar até morrer. A carta repleta de palavrões diz que esse ataque acontecerá em poucos meses, causando muito medo na Dra. Suzanne Humphries,.

Em 19 de janeiro, ela relatou isso ao departamento de polícia, que lhe disse que precisava denunciá-lo por telefone. Ao fazer isso, ela foi informada de que um detetive ligaria de volta, mas isso não aconteceu. Ela também fez um relatório do FBI online, que é o procedimento padrão.

Ela recebeu um segundo e-mail em 23 de janeiro que foi pior do que o primeiro. A odiosa missiva foi enviada com uma foto profundamente perturbadora e um vídeo tão perturbador que outros que a viram aconselharam-na a não assistir. Foi seguida por um drone em seu quintal. Ela ligou para a polícia novamente e pediu que eles fossem à sua casa. Eles saíram e fizeram um relatório, e um detetive entrou em contato com ela. Recomendado: A grande pharma força o fechamento de clínica de saúde natural - Dra Farrah

Em 25 de janeiro, um dia depois que a Natural News noticiou sobre a horrível segunda carta , ela recebeu um terceiro e-mail que parecia um pedido de desculpas. O autor afirmou ser autista e disse que não possuía uma arma e não quis dizer o que tinha dito nas primeiras cartas. Ele disse que mudou de idéia sobre machucá-la quando ela pediu às pessoas que orassem por ele. Ela é cética em relação à carta, no entanto, ela acredita que poderia ser uma tentativa de fazer com que ela cancelasse a investigação.

O FBI visitou a casa dela no dia 26 de janeiro, examinando-a, encontrando-se com aqueles que moravam lá e fazendo um relatório. Ela também recebeu uma mensagem de telefone do departamento de polícia de Austin, dando-lhe o número do processo de sua investigação. Ela então foi para a Califórnia, onde deu uma palestra diante de uma multidão de 2.000 pessoas com segurança pesada. É aqui que a história se torna ainda mais estranha.

Número do caso “secreto” facilmente obtido pelo repórter


Em 27 de janeiro, a polícia local de Austin recebeu um fax de um serviço de fax anônimo que parecia ter sido escrito pela pessoa que enviou as ameaças de morte. Esse fax continha o número do seu caso e disse que eles se desculparam com ela e não planejavam  matá-la. O FBI disse que não havia como alguém de fora conseguir o número do processo, então as cartas devem ter sido escritas por ela ou por alguém em sua casa.

Ela mencionou que o telefone dela poderia ter sido hackeado, e o agente do FBI lhe disse que ela não era importante o suficiente para alguém fazer isso com ela e que, se persistisse com essa ideia, ele a desligaria.

A Dra. Suzanne Humphries nunca escreveu o número do caso, mantendo-o no telefone, e ela foi para a Califórnia, então parece improvável que alguém em sua casa tenha acesso ao número. No entanto, ela decidiu jogar junto e convidou o FBI para vir com um polígrafo para descartar a si e a todos em sua família.

No entanto, havia uma grande falha no argumento do FBI de que ela ou alguém em sua casa devia estar por trás das ameaças, porque não há outra maneira de ter o número do caso. O departamento de Polícia de Austin, na verdade, deu o número do processo a um repórter da Natural News que mandou e-mail para eles e pediu por ela! Talvez o FBI não soubesse que isso era possível - embora alguém pudesse pensar que eles são mais competentes do que isso - ou eles poderiam estar mentindo para ela. Recomendado:Vacinas estão com vírus mortal sendo inoculados em seres humanos afirma pesquisadora presa apos descobrir

As autoridades disseram a ela que, se alguém quisesse matá-la, provavelmente teriam feito isso em vez de enviar cartas de ameaça de morte. Eles acreditam que as cartas são uma tentativa de fazê-la parar de falar sobre vacinas. De acordo com o Dra. Suzanne Humphries, a autora é muito boa em esconder sua identidade, mas ela tem investigadores particulares no caso porque o FBI não ajudou.

É desanimador pensar que alguém poderia ameaçá-la de maneira tão vil e as pessoas a quem você pede ajuda - que devem nos proteger e nos manter em segurança - poderiam culpá-lo por toda a situação, mas foi exatamente isso que aconteceu com você. Dr. Humphries. Ela é uma pessoa que não hesita em apontar os fatos sobre as vacinas alem de ser uma médica treinada, e sua credibilidade torna sua postura problemática para aqueles com interesse em obscuras com a  vacinas. A indústria de vacinas tem um alcance político e financeiro distante, e casos como esse despertam muitos alarmes.


Mike Adams entrevista Dra. Suzanne Humphries

Ative legendas



Notícia Em: / / / / / /
Coletividade Evolutiva

Site: Coletividade Evolutiva
O Coletividade Evolutiva, esta ligado ao dever e justiça de informar a sociedade de forma que ajudarão a viver melhor, enxergar através das cortinas que nos limitam o pensamento, quebrando assim as velhas formas de pensar. Examinamos o que percebemos como os problemas mais importantes em nossa sociedade atual, discutimos possíveis soluções e alternativas que podem nos ajudar a reconstruir nossa sociedade.Publicamos informações que nos desafiam o pensamento e os nossos preconceitos. Saber Mais