Notícias Recentes

Alimentos processados são viciantes, leva a comer demais, e corre risco de câncer revela estudo

Alimentos processados são viciantes,  leva a comer demais, e corre risco de câncer revela estudo

Os cientistas tem provado que as comidas ultraprocessadas causam ganho de peso e vários problemas de saúde . Sabemos há décadas que as pessoas que tem uma dieta no cotidiano, que envolvem muito refrigerante, doces, pizza e batatas fritas, etc.. têm maior probabilidade de engordar, e de obter algum tipo de doença, e até mesmo pode leva-lo a obter algum tipo de câncer, como confirma  um outro estudo, que diz que a maioria dos canceres são causados por alimentos processados.

Apesar de ser um estudo pequeno, e que não informa sobre os perigos das doenças relacionadas a comidas processadas, mostra um lado relativamente novo . O novo estudo do National Institutes of Health (NIH), foi realizado por apenas 20 pessoas - o novo estudo afirma que esses alimentos processados fazem com que os consumidores comam demais e ganhem peso, enquanto os alimentos integrais mais saudáveis ​​levam as pessoas a perder peso. 

Documentários tem exposto as comidas processadas, com suas calorias vazias, e inúmeros estudos os ligaram à obesidade, diabetes, problemas com a saúde do coração e menor expectativa de vida. Os alimentos ultraprocessados são à muito tempo o principal alvo da batalha contra a epidemia de obesidade, e agora mais do que nunca, contra a saúde de auto destruição. 

Para estabelecer esta descoberta pioneira, o Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais (NIDDK) colocou 10 homens adultos saudáveis ​​e , e 10 mulheres adultas saudáveis ​​em dietas rigidamente controladas durante um mês. Cada voluntário foi aleatoriamente designado para um dos dois planos de alimentação altamente processados ​ por duas semanas e depois mudou para o outro plano de alimentação não processada. 

Crucialmente, os cientistas asseguraram que cada refeição tivesse as mesmas quantidades dos mesmos componentes nutricionais - incluindo gordura, carboidratos e proteína - e permitia que os participantes comessem o máximo de cada refeição que quisessem.A principal diferença na composição das duas refeições era que o açúcar e a gordura tinham que ser adicionados às refeições processadas, enquanto isso ocorria naturalmente nos não-processados. 

E os voluntários classificaram as refeições em ambos os planos como saborosas e satisfatórias, o que os pesquisadores entenderam que não havia uma questão de preferência envolvida em como eles comiam. Na dieta processada, os voluntários eram mais propensos a comer muito mais nas suas refeições, e com mais rapidez . O resultado foi que eles consumiram mais 508 calorias e ganharam cerca de dois quilos em duas semanas, em média. Por outro lado, as pessoas perderam a mesma quantidade de peso na dieta não processada. 

"Fiquei surpreso com as conclusões deste estudo, porque pensei que, se combinássemos as duas dietas para componentes como açúcares, gordura, carboidratos, proteínas e sódio, não haveria nada de mágico sobre os alimentos ultraprocessados ​​que fazer com que as pessoas comam mais ", disse o principal autor do estudo, Dr. Kevin Hall.

Outro estudo mostra as ligações das comidas processadas e doenças


Segundo pesquisadores franceses da Universidade de Sorbonne, em Paris, apostar em alimentos ultraprocessados pode contribuir para o surgimento de câncer.Ainda em 2015, a Organização Mundial de Saúde já tinha afirmado que carne processada pode ser um gatilho para o câncer. Além disso, sabe-se que o excesso de peso é segunda maior causa possível de ser evitada para impedir a doença – a primeira é fumar.

Durante o estudo, os cientistas avaliaram os hábitos alimentares de 105 mil cobaias e descobriram que aqueles que consumiam frequentemente pães e sanduíches processados, petiscos empacotados (biscoitos doces ou salgados até batata-frita congelada), refrigerantes e bebidas açucaradas, carnes processadas e congeladas (como nuggets, por exemplo), macarrão e sopas instantâneas, refeições congeladas processadas e alimentos compostos em grande parte por açúcar, óleo ou gordura mostraram grandes chances de desenvolverem um câncer.

Agora, temos uma perspectiva dos alimentos ultraprocessados. Segundo os pesquisadores franceses, se aumentarmos em 10% a quantidade de produtos ultraprocessados em nossa dieta, a chance de detectar um câncer cresce em 12%.

Ao longo dos cinco anos de estudo, cerca de 18% das pessoas estudadas apresentaram uma dieta ultraprocessadas. Além disso, em média cerca de 79 diagnósticos de câncer foram identificados a cada 10 mil pessoas a cada ano. Caso o consumo de alimentos ultraprocessados aumentasse em 10%, teríamos um acréscimo de outros nove diagnósticos de câncer por ano.

Receba as notícias do Coletividade Evolutiva em primeira mão. Siga-nos nas redes sociais! Facebook - Twitter - Instagram - Receber por e-mail



Fabio Allves

Fundador:Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Ao longo da vida busquei explorar os mistérios e os conhecimentos ocultos que cercam o planeta e as origens da humanidade, questionando as raízes do que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao despertar a sociedade (Saber Mais)