Centenas de cientistas alertam os perigos de WiFi, Bluetooth e comunicação sem fio causadores de câncer


Os efeitos de saúde estabelecidos dos campos eletromagnéticos não ionizantes (EMFs) dispensados ​​por esses dispositivos também incluem aumento da eletrossensibilidade, Os efeitos de saúde estabelecidos dos campos eletromagnéticos não ionizantes (EMFs) dispensados ​​por esses dispositivos também incluem aumento da eletrossensibilidade, transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), distúrbios do sistema imunológico, infertilidade, asma e distúrbios neurológicos - e isso ocorre com doenças mais antigas e menos prejudiciais. Tecnologia 2G, 3G e 4G.

Especialistas estão incrivelmente preocupados com os efeitos do 5G, que já está sendo implementado em várias cidades dos Estados Unidos e está programado para ser instalado em países ao redor do mundo nos próximos anos. Os consumidores estão entusiasmados com as promessas de que o 5G facilitará os downloads em velocidades até 100 vezes maiores que a tecnologia 4G, proporcionando conexões mais estáveis ​​e maior capacidade.

Aqueles que conhecem os perigos potenciais, no entanto, estão seriamente preocupados. Conforme relatado por Waking Times , um grupo de 250 cientistas de mais de 40 países entregou recentemente uma petição à Organização Mundial da Saúde(OMS) e à Organização das Nações Unidas (ONU), alertando sobre os perigos cientificamente comprovados dos EMFs. 

O apelo internacional, intitulado



Com base em pesquisas publicadas e revisadas por pares, temos sérias preocupações com relação à crescente e onipresente exposição a campos eletromagnéticos gerados por dispositivos elétricos e sem fio. Estes incluem, mas não se limitam a, dispositivos emissores de radiação de radiofreqüência (RFR), como telefones celulares e sem fio e suas estações base, Wi-Fi, antenas de transmissão, medidores inteligentes e monitores de bebês, bem como dispositivos elétricos e infra-estruturas. usado na entrega de eletricidade que gera campo eletromagnético de frequência extremamente baixa (ELF EMF).

Os cientistas explicam no apelo que vários estudos realizados por respeitados cientistas confirmaram que EMF afeta organismos vivos negativamente, aumentando o risco de câncer, causando danos genéticos, alterando a estrutura e função do sistema reprodutivo, aumentando o número de radicais livres prejudiciais no corpo e geralmente tendo um impacto negativo no bem-estar dos seres humanos.

Os danos também se estendem além da raça humana, explicam eles, e há evidências crescentes de que os EMFs têm efeitos prejudiciais tanto na vida animal quanto vegetal.

Os cientistas dizem que há razões mais do que suficientes para agências de saúde pública, como a OMS, tomarem uma posição firme e estabelecer diretrizes internacionais adequadas para o uso seguro da tecnologia da qual a sociedade moderna se tornou tão dependente:

Essas descobertas justificam nosso apelo à Organização das Nações Unidas (ONU) e a todos os Estados membros do mundo a encorajar a Organização Mundial da Saúde (OMS) a exercer forte liderança na promoção do desenvolvimento de diretrizes EMF mais protetoras, encorajando medidas de precaução e educando o público sobre riscos para a saúde, particularmente risco para crianças e desenvolvimento fetal. Ao não agir, a OMS não está cumprindo seu papel de preeminente órgão internacional de saúde pública.

Os cientistas pediram à OMS e à ONU que:


  • Garantir que mulheres e crianças sejam protegidas;
  • Fortalecer as diretrizes e padrões regulatórios em relação aos CEMs;
  • Incentive os fabricantes a se concentrarem no desenvolvimento de tecnologias mais seguras;
  • Educar o público adequadamente sobre os perigos da tecnologia sem fio;
  • Incentivar os governos a financiar mais estudos científicos sobre os perigos dos CEMs;
  • Reforce a regulamentação de que a mídia deve divulgar possíveis conflitos de interesse ao citar opiniões sobre os aspectos de saúde e segurança da tecnologia sem fio; e
  • Estabeleça áreas livres de radiação conhecidas como zonas brancas.

Fabio Allves

Fundador: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais


Notícias Relacionadas Recomendadas