Agente da FDA admitiu promover aspartame para reduzir a população do planeta

Agente da FDA admitiu promover aspartame para reduzir os serem humanos do planeta

Administração de comida e droga (FDA) uma agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, já foi e continua a ser denunciada, por negar vários tipos de químicos altamente prejudiciais para os seres humanos, em alimentos e bebidas e muito mais, sendo a (FDA) ao qual atua discretamente no Brasil ,responsável pela proteção e promoção da saúde pública através do controle e supervisão da segurança alimentar, produtos de tabaco, suplementos dietéticos, prescrição de medicamentos farmacêuticos (medicamentos), vacinas, biofarmacêuticos, transfusões de sangue, dispositivos médicos, radiação eletromagnética (ERED), cosméticos e alimentos para animais e produtos veterinários. 

Em 2000, o Dr. Martini criou uma petição dos cidadãos pedindo à FDA que banisse o aspartame dos alimentos, citando um “perigo iminente à saúde”. Embora a lei exija que a FDA responda a tais petições dentro de 180 dias, obviamente a FDA tem um poder muito grande sobre os governos e leis, ao qual a FDA foi autorizado pelo Congresso dos Estados Unidos para fazer cumprir o Federal Food, Drug, e Cosmetic Act, que serve como o foco principal para a Agência; A FDA também aplica outras leis, especialmente a Seção 361 da Lei de Serviços de Saúde Pública e regulamentos associados, muitos dos quais não estão diretamente relacionados a alimentos ou drogas. Estes incluem a regulação de lasers, telefones celulares, preservativos e controle da doença em produtos que vão de certos animais de estimação domésticos para doação de esperma para a reprodução assistida. 

Conforme relatado por NaturalHealth365.com , o Dr. Martini perguntou a uma agente da FDA ao qual falava por telefone perguntado a porque demorou tanto para que a agência respondesse a sua petição, “mesmo que as pessoas estejam doentes e morrendo” em todo o mundo como um resultado do aspartame, ela afirmou. Sua resposta foi de indiferença indiferente. 

"E daí?", Afirmou o agente da FDA. "Precisamos reduzir o numero de pessoas no mundo", acrescentou ela. 

Aspartame responsável por mais de 75% de todas as reações adversas relacionadas a aditivos alimentares

Primeiramente aprovado pela FDA em 1980, o aspartame tornou-se um aditivo para adoçantes básicos para milhares de alimentos e bebidas vendidos em todo o mundo. Fabricado pela empresa farmacêutica Pfizer, o aspartame é feito a partir de dois aminoácidos naturais: ácido aspártico e fenilalanina.

Originalmente descoberto como uma arma química , o aspartame nunca poderia ser considerado um "alimento" em potencial, se não  fosse pelos cientistas que descobriram que tinha um sabor "doce". A GD Searle foi a primeira a fabricar aspartame como adoçante artificial e, desde então, tornou-se onipresente em muitos produtos “dietéticos” vendidos como alimentos e bebidas.

Mas a verdade é que o aspartame é uma neurotoxina mortal que danifica as mitocôndrias celulares. Dr. Russell Blaylock, MD, um neurocirurgião e professor certificado pelo conselho, adverte que o consumo de aspartame pode causar uma série de condições debilitantes, incluindo mas não se limitando a dores de cabeça crônicas, fadiga, tontura, náuseas, dormência, perda de memória, convulsões , perda de visão e até morte súbita.

A longo prazo, o consumo de aspartame pode levar à esclerose múltipla (MS), epilepsia, doença de Parkinson, doença de Alzheimer e até mesmo câncer.

O aspartame é “o aditivo alimentar mais perigoso já aprovado para consumo humano”, segundo Mark Stengler, NMD, “Médico Natural da América”. Ele está associado a mais de 75% de todas as reações adversas relatadas relacionadas ao consumo de aditivos alimentares.

O aspartame é uma excitotoxina que destrói os neurônios do cérebro

Por causa da maneira como isso afeta os neurotransmissores cerebrais, o aspartame tem mostrado que destrói os neurônios cerebrais necessários “excitando-os” a ponto de se autodestruírem. Por essa razão, o aspartame é classificado como uma “excitotoxina” que pode causar danos cerebrais.

Quando dividido em seu estado de metanol, o aspartame também é considerado cancerígeno porque resulta na formação de formaldeído, também conhecido como veneno de rato. As pessoas que consomem grandes quantidades de aspartame podem consumir mais de 30 vezes o limite seguro diário recomendado pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA), causando potencialmente zumbido nos ouvidos, vertigem, calafrios, lapsos de memória e problemas de visão.

De acordo com o Dr. Martini, existem mais de 900 estudos publicados em periódicos conceituados mostrando que o aspartame é perigoso e não tem lugar na dieta humana. Até mesmo a American Cancer Society (ACS) admite em seu site que a ingestão de aspartame está associada a taxas mais altas de linfoma e leucemia, sugerindo que o aspartame é, de fato, mais um  causador de câncer.

Fontes para este artigo incluem:
Author Image

Autor: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu partir em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais