O câncer de ovário não começa nos ovários: O "matador silencioso" começa nas trompas de Falópio, revela estudos


são quase 250 mil novos casos diagnosticado anualmente em todo o mundo, desse número, cerca de 140 mil acabam em morte. No Brasil, o número de casos notificados é crescente e preocupante, segundo o INCA (Instituto Nacional do Câncer), somente em 2014 foram contabilizados 5.680 casos, a estimativa para 2016 é de 6.150 mulheres diagnosticada com a doença, e ao menos 3.330 mortes. Três quartos desses cânceres, quando diagnosticados, já se encontram em estágio avançado, o que diminui consideravelmente as chances de cura.

O câncer de ovário é um tipo de tumor que começa no sistema reprodutor feminino, não se sabia exatamente o que causava a doença, mas, de agora de acordo com dois estudos que identificaram a trompa de Falópio como fonte do câncer a raiz do problema
Dr.Ron Drapkin, professor associado de patologia em obstetrícia e ginecologia da Universidade da Pensilvânia, estuda câncer de ovário há quase duas décadas.

"Foram cerca de 10 anos desde que a primeira pesquisa surgiu sobre o câncer de ovário começando na trompa de Falópio", disse Ele

"Antes de 2006 ou 2007, ninguém havia examinado completamente as trompas de Falópio, então os pesquisadores ficaram enganados sobre a raiz do problema de câncer de ovário ; disse ele

"Desde então, estamos tentando entender o que torna as trompas de falópio suscetíveis ao câncer".

Dr Rom Drapkin foi um dos principais pesquisadores de um dos estudos publicados no outono que analisou a trompa de Falópio sob uma perspectiva genômica.

O estudo analisou as relações entre tumores em cinco pacientes, isolando lesões precursoras precoces em 37 amostras.

Eles usaram técnicas de perfil genético para procurar mudanças no material genético e padrões entre as amostras e os pacientes.

"Nós basicamente soubemos que o câncer de ovário começou na trompa de Falópio, mas este estudo nos deu a evidência genômica para provar essa idéia", disse o Dr. Rom Drapkin.

Existe a possibilidade de que um pequeno número de casos comece em algum outro local que não seja a trompa de Falópio, mas não houve evidência concreta de onde isso possa ocorrer , de acordo com o Dr.Rom Drapkin.

  • Por que o câncer de ovário é chamado de "assassino silencioso" 

  • Cerca de 80 por cento dos casos de câncer de ovário são diagnosticados nos estágios avançados da doença.
  • "É diagnosticado tão tarde por causa de onde está localizado, na pelve", disse o Dr. Rom Drapkin. 
  • "A pelve é como uma tigela, então um tumor pode crescer bastante antes de se tornar realmente visível".
  • Os primeiros sintomas que surgem com o câncer de ovário são gastrointestinais porque os tumores podem começar a pressionar para cima.
  • Quando um paciente se queixa de desconforto gastrointestinal, os médicos são mais propensos a se concentrar em mudanças de dieta e outras causas do que sugerir uma exame de câncer de ovário.
  • "O câncer de ovário é freqüentemente falado como um assassino silencioso porque não tem sintomas iniciais, quando na verdade ele tem sintomas,e geralmente ocorre outros tipos de desconforto que não é o câncer.
  • "Uma das coisas que eu digo às mulheres é que ninguém conhece seu corpo tão bem quanto você. Se você sente que algo não está certo, provavelmente não está certo.
Outro estudo

O outro estudo realizado por pesquisadores do Centro de câncer Perlmutter da NYU Langone Health em Nova York analisou amostras de tecido tumoral de câncer de ovário de 96 mulheres e as comparou com amostras de um grupo de mulheres saudáveis.

O estudo concluiu que as células cancerosas eram mais parecidas com o tecido de Falópio.

O câncer de ovário é freqüentemente chamado de primo do câncer de mama porque ambos estão ligados a uma mutação do gene BRCA, mas o Dr. Rom Drapkin disse que até cerca de 2010 era muito pouco conhecido sobre o estudo anterior, em comparação com o último agora.

Ele lembra que falou com uma pesquisadora sênior sobre isso no início de sua carreira e diz que a explicação era que o câncer de ovário era uma "caixa preta" com poucas ferramentas para a detecção e muito pouco investimentos nesses casos.

Uma das principais razões pelas quais o câncer de ovário é difícil de estudar é que as amostras de tecido estudadas são magras e vistas de forma bidimensional por isso é difícil identificar sinais potenciais.

Outro motivo importante é que a grande maioria dos casos são diagnosticados em estágios avançados quando o tumor já destruiu qualquer precursor. 

Em frente, o Dr. Rom Drapkin diz que a pesquisa mais valiosa tratará a prevenção e detecção precoce, que podem se beneficiar dos resultados do estudo.

"Há dois novos métodos de detecção precoce em atividade no momento, que são fortemente baseados em nossas descobertas", disse ele.

Um é um escopo que viaja para as trompas de Falópio para coletar células para testes.

Outro é um teste semelhante a um esfregaço de papanicolau que pode levar as células do útero e detectar mudanças que caem das trompas de Falópio.

"Este método baseia-se no ciclo menstrual e na ideia de que tudo atravessa o mesmo caminho, de modo que, ao testar a jusante das trompas de Falópio, podemos detectar possíveis sinais".

Os achados também estão sendo aplicados à prevenção, especificamente em mulheres que possuem a mutação do gene BRCA1 ou BRCA2 associada ao câncer de mama e ovário.

As mulheres com mutações BRCA recebem a opção de remover seus ovários para evitar o desenvolvimento de câncer. Saber que o câncer começa na trompa de Falópio significa que os tubos também podem ser removidos.

Dr. Rom Drapkin disse que 30 por cento das mulheres com mutações BRCA optam por não retirar os ovários, em parte porque ficam na menopausa muito mais cedo do que o normal.

No que diz respeito ao tratamento, todos os casos de câncer de ovário são atualmente tratados com a mesma quimioterapia. Na maioria dos casos, há bons resultados no início, mas o câncer geralmente se repete e se torna resistente à quimioterapia.

A aplicação da pesquisa genômica a partir do estudo poderia permitir tratamentos mais individualizados e efetivos.

Dr. Rom Drapkin disse que será vários anos antes que mudanças significativas sejam observadas no campo do câncer de ovário, mas que esses estudos recentes são um grande primeiro passo em um campo que teve pouca pesquisa há apenas uma década.

Author Image

Fundador: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais