As taxas de riscos de mortes dos bebés recém-nascidos - Coletividade Evolutiva

As taxas de riscos de mortes dos bebés recém-nascidos


Relatório "Todas as vidas contam — A urgente necessidade de pôr fim à morte de recém-nascidos” revela números negros a nível mundial ao mesmo tempo que apela à reflexão
Nos dias de hoje não é novidade que as instituições de saúde se fazem de preocupada com a saúde publica, em curar as pessoas, mas tudo não passa de uma encenação para deixar a população sempre doente e necessitada do sistema,  de saúde. Por outro lado também tem essa nova era o objetivo de reduzir a população mundial, e como bem sabemos o Bil Gate já deixou isso bem claro como seria feito isso, através de suas vacinas , fazendo com que as pessoas fiquem inférteis ou até mesmo tendo abortos espontâneos , ou causando deformação no gene o que por suas vez vem com a tal suposta picada de mosquito que faz com que a criança nasça com microcefalia, Enfim o que quero deixar aqui claro é será que não é as vacinascausadoras de tantos problemas?

É de forma preocupante que um novo relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) revela que todos os anos morrem 2,6 milhões de bebés com menos de um mês de idade. Um milhão morre no dia de nascimento e mais de outros dois são nados-mortos

De acordo com documento, divulgado esta terça-feira, a sobrevivência dos recém-nascidos está relacionada, em grande parte, com o nível de rendimento. Por outro lado, nos países mais inseguros - com o Paquistão à cabeça com uma morte em cada 22 partos - a probabilidade dos bebés que nascem morrerem é 50 vezes superior à de países ditos seguros, como o Japão, Islândia ou Singapura.

A média brasileira é de 9,9 mortes para cada mil nascidos vivos. A Bahia tem o segundo maior índice de mortalidade de recém-nascidos, com 13,7 óbitos para cada mil, de acordo com dados de 2014. O estado só fica atrás do Amapá, onde a taxa é de 16,2 para cada mil nascimentos.(fonte)

Em Portugal a taxa de mortalidade de recém-nascidos é de 2,1.

É na África Subsariana que se encontram oito dos dez países mais perigosos para nascer. República Centro-Africana, Somália, Lesoto, Guiné-Bissau, Sudão do Sul, Costa do Marfim, Mali e Chade.

As condições no terreno são uma das razões como explica Willibald Zeck, responsável a nível mundial do programa maternal e neonatal da UNICEF: "As mulheres grávidas caminham descalças dias a fio para chegar a um hospital ou a uma unidade de cuidados médicos. Se essa unidade não tiver boa reputação, se não estiver a prestar apoio, as mulheres pensarão duas vezes se vão ou não. Provavelmente darão à luz em casa com uma parteira tradicional o que não é ideal."

Ainda de acordo com o relatório "Todas as vidas contam", mais de 80% das mortes de bebés recém-nascidos deve-se a nascimentos prematuros, complicações durante o parto ou infeções como a pneumonia e septicemia.

O acesso a água limpa, a boa nutrição e a uma assistência médica de qualidade poderão ajudar a corrigir os números negros.
Se inscreva por e-mail e receba nossas novas atualizações em seu e-mail


Author Image

Autor: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um ávido pensador livre, eu partir em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais


Deixe um comentário sobre isto!