Revista Istoé sob fogo - cobertura de "brasileiros do ano" apenas brancos

Receba nosso conteúdo no | Telegram
Istoé semanal nega o racismo e chama uma "falsa controvérsia" depois que os usuários de redes sociais expressam indignação - "Eu só queria vomitar quando vi isso", disse um
Um demonstrador mantém uma bandeira que lê "Basta do Racismo" durante o Dia Nacional da Consciência Negra em São Paulo, Brasil, no mês passado. Uma popular revista semanal de notícias, com sede em São Paulo, está sob fogo por apresentar apenas rostos brancos em sua capa de "brasileiros do ano" - sob uma manchete que pergunta por que o "racismo " ainda existe.

A capa provocou indignação aos Brasileiros, onde a maioria das pessoas se descreve como uma raça negra ou mista. O racismo tornou-se um tópico cada vez mais quente, já que o Brasil enfrenta sua violenta história da escravidão e questiona sua auto-imagem apreciada de uma democracia racial harmoniosa.

A capa da Istoé conta com 10 pessoas - incluindo o juiz anti-corrupção Sérgio Moro, o ministro das Finanças, Henrique Meirelles e o ator Isis Valverde - todos brancos.

"Eu só queria vomitar quando vi isso", disse Lena Santana, 48, negra brasileira que compartilhou sua raiva sobre a capa no Facebook. "É um insulto".

Lena Santana, professora de design de moda na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, disse que a revista estava se movendo na direção oposta à sociedade brasileira.

"Nada contra pessoas brancas", disse Lena, "mas temos carreiras, trabalhamos duro, temos cérebro, pensamos, conversamos".

A reação nas mídias sociais foi de indignação.
"Brasileiros do ano apenas se o país for o sul da Noruega. Por que não existe uma única pessoa negra? ", Perguntou um usuário do Twitter .

Sérgio Pardellas, editor da Istoé, disse que Lázaro Ramos, ator negro principal, tinha sido convidado à ser uma estrela na capa, mas não conseguiu participar de uma gala de premiação e foi substituído. Ele disse que a revista já homenageou os brasileiros negros, como o ex-juiz da justiça suprema Joaquim Barbosa, e o título da irmã Istoé Dinheiro apresenta o empresário negro Celso Althayde como um dos seis líderes empresariais do ano.

"É uma controvérsia falsa. De nenhuma maneira discriminamos alguém ", disse Pardellas.

Ele disse que a mesma questão incluiu artigos sobre o abuso racista sofrido por uma criança negra africana adotada pelos atores brancos Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank e pelo ator negro Diogo Cintra, que foi mal batido no mês passado em uma estação de metrô de São Paulo, enquanto os guardas de segurança estavam de pé.

A fila sobre a capa da revista veio logo após o ator proeminente Taís Araújo - esposa de Lázaro Ramos - compartilhar uma conversa de TED que ela fez em São Paulo em agosto, chamada "Como criar crianças doces em um país ácido".

"Meu filho é um menino negro. E a liberdade não é um direito que ele desfrute ", disse ela, acrescentando que, quando se tornar adolescente, seu filho provavelmente enfrentará violentas buscas policiais e a presunção de que ele é bandido.

"No Brasil , a cor do meu filho é a cor que faz as pessoas mudar a calçada, protegem suas malas e armam seus carros", disse ela.

Ivone Caetano, juiz negro do tribunal de apelações e diretor de igualdade racial da Ordem dos Advogados do Rio de Janeiro, disse que o Brasil estava começando a perceber o quão racista é.

"A democracia racial é sempre referida, mas nunca existiu aqui", disse ela. "Ao tornar o preconceito no Brasil invisível, tirou as armas que os negros poderiam ter para lutar contra toda essa questão".

Continue lendo após a publicidade
Continue lendo após a publicidade
Estar havendo uma extrema censura por parte dos gigantes da tecnologia. Por isso, incentivamos que todos que desejam receber nosso conteúdo valioso , a se inscreverem na nossa lista de e-mail. - Depois de se increver acesse sua caixa de entrada ou de spam para confirmar sua inscrição.
Se conecte com nós nas redes | Instagram | Facebook |Twitter |Telegram


Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram

Talvez você goste