A verdade terrível sobre o Facebook está sendo exposta e será amplamente revelada em 2018 - Coletividade Evolutiva

A verdade terrível sobre o Facebook está sendo exposta e será amplamente revelada em 2018


Um ex- executivo do Facebook disse que sente uma "tremenda culpa" por seu trabalho em "ferramentas que destroem o tecido social de como a sociedade funciona", com isso lhe vieram uma grande quantidade de criticas das empresas de redes sociais.

A verdade terrível sobre o Facebook está sendo exposta e será amplamente revelada em 2018Chamath Palihapitiya, que foi vice-presidente do crescimento de usuários no Facebook, antes de deixar a empresa em 2011, disse: "Os laços de feedback de curto prazo e com dopamina que criamos estão destruindo a forma como a sociedade funciona. Nenhum discurso civil, nenhuma cooperação, desinformação, e mentira ". Mas antes de aprofundarmos sobre o que Chamath disse vamos da uma olhadinha logo a seguir, e mais pra frente voltamos a Chamath.

Todos os meses, 1,65 bilhões de pessoas utilizam ativamente o site de redes sociais Facebook. Em média, cada usuário gasta 50 minutos usando o site diariamente, o que você tende a considerar que é mais tempo do que é gasto em qualquer outra atividade de lazer exceto para assistir TV.

Passe algum tempo no Facebook e você será inundado com fotos e postagens que retratam famílias e vidas aparentemente perfeitas de outras pessoas. Tais postagens podem induzir sentimentos de inveja e levar a comparações sociais irrealistas que, por sua vez, reduzem seu humor e seu nível de bem-estar. E em alguns casos pode até levar à depressão. 

Um estudo de mais de 1.000 pessoas na Dinamarca revelou mais uma evidência causal de que "o Facebook afeta negativamente o nosso bem-estar". Os usuários do Facebook que fizeram pararam de suar por uma semana o Facebook, relataram níveis significativamente maiores de satisfação e uma significativa vida emocional melhorada, revelou o estudo. 

Se você é um usuário normal do Facebook interessado em aumentar seu bem-estar, talvez não seja necessário sair do site para sempre. Os pesquisadores sugeriram que fazer ajustes no seu comportamento de uso poderia ser suficiente para alertar mudanças positivas: 

Você sabia que nós Brasileiros somos o povo que passa mais tempo nas redes sociais em todo o mundo? 

O Brasil sempre esteve no Top 3 das redes sociais e a Infobase Interativa vai mostrar nesse gráfico que o brasileiro só vive online! Você pode consultar mais aqui

Na pesquisa “Futuro Digital em Foco BGrasil 2015”, da comScore, o Brasil aparece como protagonista absoluto!

O Brasil conta com 45% da população online acessando conteúdo via computador e mobile.

50,5% das pessoas online são homens

49,5% são mulheres

As regiões que mais tem gente conectada

49,7% Sudeste

20,2% Sul

15,9% Nordeste

9,9% Centro-Oeste

4,2% Norte

A maior parte da população conectada está entre 25 e 34 anos.

O Brasil é líder no tempo gasto em redes sociais, com média de 60% a mais do que o restante do planeta.

Logo atrás de nós estão Filipinos, Tailândia, Colbia e Peru.

A média de permanência do brasileiro por visita é de 21.2 minutos.

A média mensal de navegação é de 9.7 horas.

O brasileiro gasta 650 horas por mês navegando em redes sociais, 290 horas a mais do que em portais de notícias.

As redes socais alcançaram 78% do total de usuários no Brasil.

O Facebook possui mais de 58 milhões de visitantes mensalmente, seguido pelo Google+ (10 milhões).

Ainda sobre internet, os brasileiros que acessam através do celular ou tablet gastam quase 90% do tempo no navegador.

Continuando o que Chamath disse 

As observações, que foram feitas em um evento Stanford Business School em novembro, foram exibidas no site de tecnologia The Verge na segunda-feira.

"Não se trata de anúncios russos", acrescentou ele. "Este é um problema global. Está corroendo nos principais fundamentos de como as pessoas se comportam e entre si ".

Os comentários de Chamath no mês passado foram feitos um dia depois que o presidente fundador do Facebook, Sean Parker, criticou a maneira como a empresa "explorar uma vulnerabilidade na psicologia humana" criando um "loop de feedback de validação social" durante uma entrevista  .

Sean  havia dito que ele era "um objeto de objeção de consciência" para o uso das mídias sociais, uma posição que ecoou em Chamath, que disse que agora estava esperando usar o dinheiro que ele fez no Facebook para fazer o bem no mundo.

"Não posso controlá-los", disse chamath sobre seu antigo empregador. "Eu posso controlar minha decisão, que é a que eu não uso essa merda. Eu posso controlar as decisões dos meus filhos, que é  a qual eles não têm permissão para usar essa merda ".

Ele também convocou sua audiência a "pesquisar a alma" sobre seu próprio relacionamento com as mídias sociais. "Seus comportamentos, você não percebe isso, mas você está sendo programado", disse ele. "Não foi intencional, mas agora você tem que decidir o quanto você vai desistir, quanto a sua independência intelectual".

Muitos observadores atribuíram os resultados inesperados das eleições presidenciais dos EUA de 2016 e do referendo de Brexit, pelo menos em parte, às câmaras de eco ideológicas criadas pelos algoritmos do Facebook, bem como à proliferação de notícias falsas, à propaganda e propaganda ao lado de fontes de notícias legítimas nas notícias do Facebook. feeds.

A empresa reconheceu recentemente que vendeu anúncios para operários russos que procuravam a divisão entre os eleitores dos EUA durante as eleições de 2016.

O Facebook também enfrentou críticas significativas por seu papel na ampliação da propaganda anti-Rohingya em Mianmar, em meio a suspeitas de limpeza étnica da minoria muçulmana.

Chamath referenciou um caso do estado indiano de Jharkhand nesta primavera, quando as falsas mensagens da WhatsApp alertando sobre um grupo de sequestradores, levaram ao linchamento de sete pessoas . O WhatsApp é de propriedade do Facebook.

"Isso é o que estamos lidando", disse chamath. "Imagine quando você leva isso ao extremo, onde pessoas ruins, agora podem manipular grandes massas de pessoas para fazer o que quiser. É apenas um estado de coisas realmente ruim ".

O Facebook respondeu aos comentários de chamath na terça-feira, observando que o ex-executivo não havia trabalhado para a empresa em seis anos.

"Quando a Chamath estava no Facebook, fomos focados na construção de novas experiências de redes sociais e no crescimento do Facebook ao redor do mundo", disse uma porta voz da companhia, Susan Glick, em um comunicado. "O Facebook era uma empresa muito diferente naquela época, e como crescemos, percebemos como nossas responsabilidades cresceram também. Nós levamos nosso papel muito a sério e estamos trabalhando duro para melhorar ".

A empresa disse que estava pesquisando o impacto de seus produtos no "bem-estar" e observou que o CEO, Mark Zuckerberg, indicou uma disposição para diminuir a rentabilidade para abordar questões como a interferência no exterior nas eleições.


Se inscreva por e-mail e receba nossas novas atualizações em seu e-mail


Author Image

Autor: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um ávido pensador livre, eu partir em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais


Deixe um comentário sobre isto!