MARCA DA BESTA - CHEGA NO SISTEMA MÉDICO, RASTREAMENTO DE PACIENTE UNICO


Para alguns de nós, visitar o médico é um processo incômodo e invasivo. Ser examinado e dizer a um completo estranho como nos sentimos pode ser muito difícil para muitos. No mínimo, esperamos que essa informação permaneça privada , seguramente escondida nos registros do médico, apenas para os olhos. Mas um novo projeto de lei assinado pelo presidente Trump está pronto para tirar esse direito à privacidade de todos os cidadãos americanos, e não somente os americanos, sabemos que aqui Brasil não é diferente, pois essa tecnologia já esta no pais, e vem sendo infiltrada aos poucos na sociedade como beneficia. Ainda não é obrigatório o uso dessa tecnologia aqui no Brasil, mas existe muitos rumores que tem sido aprovado uma lei que obriga os Brasileiros.(atenção apenas rumores) (POR ENQUANTO).
Em 1996, a Lei de Portabilidade e Responsabilidade do Seguro de Saúde (HIPAA) pediu que os Serviços de Saúde e Humanos emitam todos os cidadãos com um "identificador de paciente único" (UPI). Este UPI seria um número único que ligaria cada pessoa à sua história clínica completa e seria acessível por cerca de 800.000 partes, incluindo hospitais, médicos, pesquisadores e departamentos de saúde pública. A legislação causou uma reação pública imediata, levando o deputado Ron Paul (R-TX) a alterar um projeto de despesa de 1998 para evitar o uso de fundos federais para o desenvolvimento de UPIs. A manobra do congressista lançou uma chave inglesa nas obras, e o desenvolvimento das UPIs foi essencialmente interrompido.
Até agora, isso é.
A Sociedade de Sistemas de Informação e Gestão da Saúde informa que uma UPI simples já não é considerada uma solução suficiente e "o foco mudou para a correspondência de dados do paciente e a necessidade de uma estratégia nacional coordenada em todos os setores de saúde público e privado". Que a comunidade de saúde do país recebeu um "mandato claro ... para adotar registros de saúde eletrônicos e capacidade de troca de saúde".
A mudança do presidente Trump provavelmente será muito impopular. Um artigo de Gallup, em 2002, observou que o crescente uso da Internet estava levando a um ambiente de "saúde eletrônica" nos Estados Unidos, o que causava preocupações de privacidade tanto para consumidores como para profissionais médicos. Referiu uma pesquisa anterior de 2000 que descobriu que 78 por cento dos entrevistados queriam manter o status em relação à sua informação de saúde, a saber, que nenhuma pessoa ou parte deveria ter acesso à sua informação privada sem a permissão expressa.
É altamente improvável que a passagem do tempo tenha alterado o fato de que poucas pessoas ficariam confortáveis ​​com seus "dados demográficos, informações genéticas, histórias familiares, tratamentos, comentários pessoais, hospitalizações e informações de estilo de vida" disponíveis para todos e diversos.
Esta é uma informação altamente sensível que pode ser usada contra o paciente de várias formas.
Imaginemos, por exemplo, que você está se candidatando para um seguro de saúde para sua família. Você completa e envia sua papelada, apenas para que a seguradora negue sua cobertura porque vários membros de sua família possuem o gene BRCA1 e estão geneticamente predispostos a câncer de mama e outros.
Ter toda essa informação privada livremente disponível também o tornaria vulnerável ao roubo de identidade. Este tipo de crime já afeta mais de 15 milhões de cidadãos dos EUA por ano , resultando em perdas financeiras de US $ 50 bilhões.
Uma vez que a sua informação seria livremente disponível para os pesquisadores, também seria quase impossível para você evitar se tornar um participante involuntário em um projeto de pesquisa que você possa opor-se moralmente.
E, é claro, um banco de dados como esse permitiria ao governo determinar sua conformidade com o cronograma de vacinas infantis infantis do CDC, usando manobras fortes como aquelas usadas na Califórnia para forçá-lo a vacinar seus filhos. Isso incluiria vacinas que prejudicaram inúmeras crianças em todo o mundo, incluindo as vacinas MMR e HPV.
A nova lei elimina a possibilidade de “crenças pessoais”. Também proíbe a matrícula em escolas ou creches públicas ou privadas, de crianças não vacinadas. Ou seja, não se pode obrigar outras crianças a conviver com os não vacinados. Os pais que não vacinarem seu filho terão que educá-lo em casa. As crianças que por razões médicas não puderem ser vacinadas deverão apresentar um atestado médico.
O Legislativo da Califórnia adota, assim, uma das leis mais duras dos Estados Unidos sobre essa questão, que afeta direitos individuais. Apenas dois outros estados proíbem exceções religiosas ou pessoais. A lei, proposta por um senador democrata que é pediatra de profissão, recebeu apoios e críticas dos dois partidos. 
O fato é que nossa história médica é pessoal, privada e sensível, e temos o direito de esperar que esses registros sejam mantidos privados.

Author Image

Autor: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais