EUA MOVEM DEFESA DE MÍSSEIS PARA O SITE DA CORÉIA DO SUL EM MEIO A TENSÕES COM O NORTE




A tranquilidade de uma aldeia situada nas montanhas da Coréia do Sul foi quebrada cedo na manhã de quarta-feira com a chegada súbita de peças para um sistema de defesa antimíssil dos EUA projetado para frustrar um ataque do Norte.
O sistema de Defesa de Área de Alta Altitude Terminal, ou Thaad, está sendo apressado em implantação no local de um antigo campo de golfe em Seongju em meio a crescentes tensões sobre os programas nucleares e de mísseis de Pyongyang.
O movimento mais cedo do que esperado provocou protestos de centenas de moradores locais e foi denunciado pelo favorito para vencer a eleição presidencial da Coréia do Sul no dia 9 de maio.
Os EUA e a Coréia do Sul concordaram no ano passado em implantar Thaad, que compreende radares, mísseis interceptores e lançadores que, teoricamente, podem atacar mísseis entrantes no meio do vôo.
O movimento irritou a China, que diz que o sistema avançado fará pouco para deter o Norte enquanto desestabiliza o equilíbrio de segurança regional.

O Ministério da Defesa da Coréia do Sul disse que alguns elementos de Thaad foram transferidos para um local no que era um campo de golfe no sul do país, a rota mantida clara por um grande número de policiais, alguns com escudos anti-motim.
"A Coréia do Sul e os Estados Unidos têm trabalhado para garantir uma capacidade operacional precoce do sistema Thaad em resposta à ameaça nuclear e de mísseis da Coréia do Norte", disse o ministério em comunicado. A bateria deveria estar operacional até o final do ano, acrescentou.
Imagens de televisão mostraram reboques militares carregando grandes unidades, incluindo o que parecia ser latas de lançamento, sendo conduzidos para o local. Imagens mostravam manifestantes atirando garrafas de água nos veículos e a polícia tentando bloqueá-los.
No final da tarde de quarta-feira, milhares de policiais alinharam a única estrada que levava à entrada do local, superando em número as centenas de manifestantes locais, principalmente antigos, que haviam se unido durante o dia a sindicalistas e ativistas políticos de outras partes do país.
Baek-Gwang-soon, 73, que viveu em Seongju toda a sua vida, disse que estava "sem palavras com raiva" quando o equipamento chegou ao abrigo da escuridão.
"Este é um lugar tranquilo, onde recebemos pessoas de fora com os braços abertos", disse Baek ao Guardian. "Agora está sendo arruinado pela chegada de armas americanas que nos transformaram em um alvo norte-coreano". Baek estava segurando um cartaz que dizia: "A Coréia do Sul é realmente um país soberano?"
A imprensa sul-coreana informou que seis lançadores, vários mísseis de interceptação e pelo menos um radar foram implantados na área, onde os agricultores dizem que as ondas eletromagnéticas do radar do sistema representam uma ameaça para a saúde pública e suas colheitas de melão.
O Pentágono disse que o desdobramento foi uma medida crítica para defender a Coréia do Sul e seus aliados contra ameaças de mísseis da Coréia do Norte e que seria concluída "o mais rapidamente possível".
Os militares dos EUA e da Coréia do Sul têm relutado em discutir publicamente o progresso da implantação antes da eleição presidencial sul-coreana.
Moon Jae-in, líder da corrida, disse que a nova administração sul-coreana deve decidir se deve implantar Thaad depois de reunir opiniões públicas e ter mais discussões com Washington.
Um porta-voz de Moon disse que a decisão de continuar "ignorou a opinião pública eo devido processo", e exigiu que a implantação fosse suspensa até que a próxima administração estivesse no lugar e tivesse tomado sua decisão política.


Mais de 10 manifestantes foram feridos durante os confrontos com a polícia. Kim Jong-kyung, co-chefe de um grupo de aldeões protestando contra a implantação de Thaad, disse à Reuters que alguns deles sofreram fraturas de osso. Kim disse que cerca de 200 manifestantes, a maioria residentes em duas cidades próximas ao local da bateria, se reuniram durante a noite e permaneceriam perto do local.
"Continuaremos nossa luta e ainda haverá tempo para que Thaad esteja realmente funcionando, então vamos lutar até que o equipamento seja retirado do site e pedir ao novo governo da Coréia do Sul que reconsidere o plano", disse Kim à Reuters por telefone.
Um policial em Seongju, uma cidade onde Thaad está localizado, disse que a polícia se retirou do local, e ele não sabia dos relatos de ferimentos.
Washington e Pyongyang estão aumentando a pressão umas nas outras nas últimas semanas, com os EUA enviando um grupo de porta-aviões e submarino nuclear para a região e a Coréia do Norte tentando mais lançamentos de mísseis, desafiando as camadas de sanções da ONU.
A administração Trump convocou todo o Senado dos EUA para a Casa Branca na quarta-feira para ser informado por altos funcionários do governo sobre o confronto de infusão. O briefing invulgar sublinha a urgência com que o governo Trump está tratando a ameaça representada pelo desenvolvimento contínuo de Pyongyang de armas nucleares e tecnologia de mísseis.
Na sexta-feira, o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, deverá presidir uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre o assunto em Nova Iorque, na qual o Departamento de Estado disse que iria apelar uma vez mais para a aplicação integral das sanções existentes da ONU. Novas medidas em caso de novos testes nucleares ou de mísseis.

A agência de notícias KCNA, da Coréia do Norte, disse na quarta-feira que o líder do país, Kim Jong-un, supervisionou sua "maior experiência de fogo vivo" para assinalar o 85º aniversário de fundação de suas forças armadas, com mais de 300 autopropulsores Armas de artilharia demonstrando sua potência de fogo em um evento na costa leste.
A broca veio em vez de um teste nuclear ou o lançamento de um míssil de longo alcance. Que foi temida, em meio à pressão dos Estados Unidos e da China, único aliado principal da Coréia do Norte, que ficou irritado com o desenvolvimento de armas de Pyongyang.
"Os corajosos artilheiros impiedosamente e satisfatoriamente atingiram os alvos e os tiros foram muito corretos", disse Kim, acrescentando que eles "mostraram bem a voar de tiros de nossa força de artilharia a-match-for-a-hundred dando castigo implacável ao inimigo Forças ", de acordo com KCNA.
Um submarino norte-americano projetado para transportar 150 mísseis de cruzeiro Tomahawk entrou em um porto sul-coreano na terça-feira, enquanto o grupo de transportadores USS Carl Vinson atacou as águas coreanas em um esforço para impedir o norte de um sexto teste nuclear e mais lançamentos de mísseis.
A Marinha da Coréia do Sul disse que planeja realizar uma broca conjunta com o grupo de ataque dos EUA no final de abril.
Donald Trump prometeu impedir o Norte de ser capaz de atingir os EUA com um míssil nuclear e disse que todas as opções estão sobre a mesa.
Os EUA começaram a mover os primeiros elementos do avançado sistema de defesa antimísseis para a Coréia do Sul no início de março, depois que o norte testou quatro mísseis balísticos.
Seul e Washington dizem que o único objetivo de Thaad é defender contra os mísseis norte-coreanos, mas a China está preocupada com o poder do radar poder penetrar seu território e minar sua segurança.
A Coréia do Sul acusa a China de discriminar algumas empresas sul-coreanas que operam na China por causa da implantação de Thaad.
Author Image

Autor: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais